Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Comissão de Justiça aprova acusações do impeachment contra Trump

Artigos serão levados ao plenário da Casa para votação final na próxima semana, que pode tornar Trump o 3º presidente americano a sofrer um impeachment

Por Da Redação - 13 dez 2019, 01h33

Parlamentares dos Estados Unidos avançaram nesta quinta-feira no processo de impeachment contra o presidente republicano Donald Trump e membros de um comitê da Câmara dos Deputados debateram as acusações formais que serão enviadas ao plenário da Casa para uma votação final na próxima semana.

O Comitê Judiciário da Câmara aprovou os dois artigos de impeachment nesta quinta-feira, o que levará a uma votação na casa legislativa controlada pelos democratas na próxima semana. Caso a tendência de aprovação se confirme, Trump pode se tornar o terceiro presidente na história dos Estados Unidos a sofrer um impeachment.

Se a Câmara aprovar a abertura do processo contra Trump, que é acusado de abuso de poder e obstrução do Congresso, o presidente então será julgado pelo Senado. É esperado que a casa legislativa liderada pelos republicanos não considere o presidente culpado, e não o retire de seu cargo.

Os republicanos no painel judiciário reclamaram repetidas vezes sobre os procedimentos seguidos pelos democratas no processo do impeachment, e disseram que os democratas exageraram em uma tentativa desesperada de reverter os resultados das eleições de 2016.

Publicidade

Os republicanos requisitaram uma outra audiência e disseram que seus direitos não foram respeitados no processo, mas perderam a votação diante da maioria democrata. Os republicanos também se articularam para derrubar a primeira acusação, de abuso de poder, mas o comitê rejeitou a moção em um voto que seguiu as linhas partidárias.

“As regras foram jogadas no lixo nesse processo”, disse a deputada republicana Debbie Lesko. “Continuo achando impressionante o quão corrupto e injusto esse processo foi desde o início.”

Os democratas acusam Trump de abusar de seu poder ao tentar forçar a Ucrânia a investigar seu rival político Joe Biden, e de tentar obstruir o Congresso quando parlamentares tentaram analisar a questão. Biden, ex-vice-presidente, é um dos principais postulantes à nomeação democrata para concorrer à Presidência contra Trump no ano que vem.

Republicanos no comitê disseram que os crimes apontados nos artigos de impeachment não aconteceram e que “abuso de poder” era um argumento genérico para as reclamações dos democratas sobre Trump.

Publicidade

“Esse conceito de abuso de poder é uma das mais baixas e fracas teorias de impeachment”, disse o deputado republicano Matt Gaetz.

Os democratas repreenderam os republicanos pela lealdade a Trump. “Esqueçam o presidente Trump. Alguns dos meus colegas do outro lado dirão que é abuso de poder condicionar auxílio internacional em atos oficiais?”, disse a deputada democrata Pramila Jayapal. “Algum dos meus colegas está disposto a dizer que não há problema se um presidente dos Estados Unidos da América convidar a interferência externa nas nossas eleições?”.

Trump nega qualquer irregularidade e condena o processo de impeachment como uma farsa. “Não houve crime!”, escreveu o presidente no Twitter na quinta-feira.

(Com Reuters)

Publicidade