Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Comissão da Verdade da Colômbia: veja as principais conclusões

Relatório lança luz sobre violações de direitos humanos cometidas durante os 52 anos de conflito armado entre o governo e as FARC

Por Da Redação 29 jun 2022, 16h24

A Comissão da Verdade da Colômbia apresentou na terça-feira, 28, um relatório sobre as quase seis décadas de conflito entre o governo do país e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

+ Quatro anos após acordo de paz, violência desperta novamente na Colômbia

+ Confrontos entre grupos armados deixam ao menos 24 mortos na Colômbia

Lançado durante uma cerimônia no Teatro Jorge Eliecer Gaitan, na capital Bogotá, o documento de 800 páginas descreve crimes e abusos contra direitos humanos cometidos durante a luta armada que matou cerca de 220.000 pessoas e provocou a migração de 5 milhões de civis.

O presidente recém-eleito Gustavo Petro recebeu o relatório final do presidente da Comissão, padre Francisco De Roux, em nome do povo colombiano. O ex-guerrilheiro é primeiro presidente de esquerda da história da Colômbia e tomará posse em 7 de agosto.

O relatório foi construído a partir de mais de 14.000 entrevistas realizadas entre 2016 e 2020 com vítimas, militares e servidores públicos envolvidos na luta armada entre o Estado colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), grupo paramilitar de oposição criado no final dos anos 1960.

+ Estados Unidos retiram as FARC da lista de terrorismo internacional

Continua após a publicidade

A comissão foi criada em 2016, após um acordo de paz entre o Estado e o grupo guerrilheiro, com o objetivo de revelar irregularidades e resolver conflitos do passado da Colômbia. Confira as principais conclusões do relatório:

Lista ‘infinita’ de vítimas

De acordo com estimativas do Centro Nacional de Memória Histórica, mais de 260.000 civis perderam a vida como resultado da violência. A comissão também apontou que cerca de 34.000 crianças foram recrutadas à força pelos guerrilheiros apenas nos últimos 30 anos do conflito.

Violações de direitos humanos

O documento sugere que as forças armadas colombianas cometeram abusos de direitos humanos e conduziram uma guerra criminosa durante todo o conflito. O presidente da comissão pediu às autoridades que reorientem as forças armadas para o cumprimento dos direitos humanos e o direito internacional.

De Roux também fez um apelo pela criação de uma força policial civil. Na Colômbia, a polícia faz parte do Ministério da Defesa, e os policiais costumam treinar e trabalhar em unidades militares.

Reformulação da guerra às drogas

A Comissão da Verdade recomendou que o governo mudasse completamente sua guerra às drogas. Segundo o relatório, o narcotráfico é uma força tão onipresente na sociedade colombiana que deve ser considerado uma entidade política e não alvo de medidas repressivas.

O documento sugeriu o fim da prática de pulverização aérea para combater a colheita de plantas de coca (matéria-prima da produção de cocaína em áreas rurais), devido ao impacto negativo que tem na saúde, na segurança alimentar e no meio ambiente. 

Embora o relatório da Comissão da Verdade seja a investigação mais extensa sobre os atos criminosos ocorridos durante o conflito armado, ele não tem peso legal. O papel da Comissão da Verdade era apresentar recomendações para evitar que um conflito semelhante acontecesse novamente.

Como parte do acordo de paz estabelecido em 2016, um Tribunal de Paz especial será encarregado de investigar e condenar tanto agentes do Estado quanto guerrilheiros das FARC. 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)