Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Comissão da Câmara aprova moção de repúdio a Alberto Fernandéz

Documento da Comissão de Relações Exteriores, presidida por Eduardo Bolsonaro, diz que presidente eleito da Argentina 'quebrou decoro internacional'

Por Da Redação Atualizado em 6 nov 2019, 18h26 - Publicado em 6 nov 2019, 17h55

A Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, presidida pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), aprovou nesta quarta-feira, 6, uma moção de repúdio contra o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernandéz, devido ao apoio concedido pelo peronista ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba desde 2017.

O requerimento é de autoria do também deputado federal Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP). Bragança argumenta que o presidente eleito argentino “quebrou o decoro internacional” pelo “ativismo político em questões internas do Brasil e pelo desagravo a uma parcela expressiva da população brasileira”.

O deputado criticou a decisão de Fernandéz de postar, no dia de sua vitória nas eleições argentinas, uma foto em que pedia liberdade a Lula, além de divulgar uma carta que recebeu do ex-presidente.

As rusgas entre o Brasil e a Argentina, que é o terceiro maior comprador de produtos industrializados brasileiros, segundo o Ministério da Economia, começaram bem antes das primárias argentinas em agosto deste ano.

Continua após a publicidade

O presidente Jair Bolsonaro deu publicamente seu apoio à reeleição do atual presidente, Maurício Macri. O chefe de Estado disse que, com a volta do peronismo ao poder, o país vizinho se tornaria uma Venezuela. Bolsonaro chegou ainda a admitir que trabalhava pela reeleição de Macri.

Após o anúncio dos resultados da eleição, o presidente brasileiro lamentou a vitória da chapa de Fernández e da ex-presidente Cristina Kirchner, dizendo que “argentinos escolheram mal“. 

A relação entre os dois presidentes tem gerado preocupação, já que os dois países são sócios comerciais, integrantes do Mercosul e do recente entendimento do bloco com a União Europeia. Mesmo com as alfinetadas, Bolsonaro disse que “não irá se indispor” com Fernández.

Em uma série de tuítes publicados na semana passada, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, também criticou a escolha dos argentinos e declarou que a vitória de Fernandéz alegrava as “forças do mal”.

O próprio Eduardo Bolsonaro também fez declarações controversas sobre a família do recém-eleito presidente argentino. O deputado se referiu de forma pejorativa ao filho de Fernandéz, Estanislao Fernández, que faz cosplays e se veste de drag queen.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês