Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Comediante alemão que fez piada com Erdogan voltará à TV

Jan Boehmermann está sendo processado com base em lei que proíbe insultos a líderes estrangeiros

Por Da Redação 5 Maio 2016, 23h32

O comediante alemão que causou tumulto no mês passado por ler um poema que ofendia o presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan deve voltar à televisão após um hiato, “agora com mais cuidado”. Jan Boehmermann foi colocado sob proteção policial depois de receber um processo judicial do governante turco.

O duvidoso processo conduzido por Erdogan foi baseado em uma lei alemã do século XIX que permite acusar alguém por insultar um líder estrangeiro. Erdogan passa por um momento de turbulência em seu país e vem sendo criticado por seus opositores por suas crescentes medidas autoritárias.

O caso contra Boehmermann ganhou novas proporções quando, após duas semanas de discussão, a chanceler alemã Angela Merkel, tendo o poder de vetar a ação, permitiu que o processo seguisse na Justiça. Em entrevista ao jornal The New York Times, Boehmermann disse que ele e sua equipe ficaram “completamente surpresos com a resposta da chanceler” e não imaginavam que a lei “obscura” existia quando planejaram o programa.

Leia mais:

Comediante alemão precisa de proteção policial após piada com Erdogan

Merkel aprova pedido da Turquia para processar comediante da Alemanha

Continua após a publicidade

Apesar de o comediante afirmar que voltará à TV no dia 12 de maio, sua autonomia para fazer piadas está podada pela Justiça. Em um país democrático onde a liberdade de expressão costuma ser respeitada, ele afirma que não está autorizado a falar do presidente turco. “Eu não estou livre, como vocês podem imaginar. Eu vou para o palco e preciso pensar sobre o que o posso dizer”, contou ao Times.

Por outro lado, Boehmermann espera poder apresentar o seu lado da história para a Justiça em breve. O comediante disse que acredita no sistema judicial da Alemanha e está “confiante que irão lidar com o caso de forma justa”.

Na ocasião em que o processo foi iniciado, Merkel ficou em uma posição delicada, pois teve de se posicionar entre a defesa da liberdade de expressão em seu país e a dependência de Erdogan para resolver a crise de refugiados na Europa. O poema do humorista usava vários termos de baixo calão para definir o presidente turco e fazia referências a sexo com cabras e ovelhas, bem como a repressão das minorias turcas pelo governante.

Leia também:

Primeiro-ministro da Turquia diz que vai renunciar em 22 de maio

Turquia: Premiê garante que nova Constituição vai manter Estado laico

(Da redação)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês