Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Com escalada da crise, Alemanha diz que refugiados não podem escolher onde morar

A polícia informou que cerca de 13.000 imigrantes chegaram em Munique neste sábado, e outros 1.400 na manhã de domingo. Áustria espera receber 10.000 pessoas hoje

O Ministro do Interior da Alemanha, Thomas de Maiziere, disse neste domingo que os refugiados que já se encontram na Europa ou estão indo não devem poder escolher em que país morar. A Alemanha, maior e mais rica economia europeia, tem sido um polo para muitas pessoas que deixam a guerra e a pobreza na Síria e em outras partes do Oriente Médio e África. A polícia informou que cerca de 13.000 imigrantes chegaram em Munique no sábado, e outros 1.400 na manhã de domingo.

Em entrevista ao jornal alemão Der Tagesspiegel, de Maiziere disse que os refugiados que recebem proteção da Europa devem aceitar que serão distribuídos pelo bloco. “Não podemos permitir que os refugiados escolham livremente onde eles querem ficar, não é assim em nenhum outro lugar do mundo”, disse ele. “Também não pode ser nosso dever pagar os benefícios que estão na lei alemã para refugiados que foram alocados em um país da União Europeia e que vêm para a Alemanha mesmo assim”, acrescentou ele.

Leia também

O futebol dá as boas-vindas aos refugiados na Europa

Alemanha recebeu quase 450.000 refugiados desde janeiro

Após vídeo com maus-tratos, AI quer ter acesso a centros para refugiados na Hungria

Ministros do Interior dos 28 países membros da UE se reunirão em Bruxelas na segunda-feira para discutir propostas da Comissão executiva da UE para redistribuir cerca de 160.000 pessoas em busca de asilo pelo bloco.

Áustria – As autoridades austríacas estimam que 10.000 refugiados cruzarão neste domingo a fronteira com a Hungria, um considerável aumento do ritmo de chegadas que está relacionado com as medidas que o governo húngaro aplicará a partir da próxima semana para impedir a entrada de mais pessoas. Até o meio-dia tinham entrado cerca de 4.000 pessoas através da passagem de Nickelsdorf, mas trens com refugiados seguem chegando até Hegyeshalom, no lado húngaro da fronteira, de onde percorrem a pé os dez quilômetros que restam até território austríaco.

Apesar da enorme afluência de pessoas, a polícia afirma que a situação está sob controle e que os refugiados são transferidos em trens ou ônibus até Viena, de onde a maioria segue caminho para a Alemanha, ou são alojados até que haja meios para transportá-los. Cerca de 8.000 pessoas partiram ontem da Estação do Oeste de Viena rumo à Alemanha, enquanto outras 2.800 passaram a noite na capital. Apenas 87 solicitaram asilo na Áustria.

A expectativa é que amanhã entrem na Áustria entre 6.000 e 8.000 refugiados. A previsão é que a Hungria aprove na próxima terça-feira uma nova legislação que estabelece penas de até cinco anos de prisão para quem cruzar ilegalmente sua fronteira. Paralelamente, o governo conservador húngaro segue acelerando o reforço ao longo de 175 quilômetros de fronteira com a Sérvia.

(Da redação)