Clique e assine a partir de 9,90/mês

Colômbia quer negociar ‘cessar-fogo definitivo’ com as Farc

Presidente colombiano anunciou início das conversas para trégua bilateral entre as duas partes; guerrilha declarou cessar-fogo unilateral em dezembro

Por Da Redação - 15 Jan 2015, 05h05

O presidente colombiano Juan Manuel Santos anunciou nesta quarta-feira que determinou o início das discussões sobre um cessar-fogo bilateral e definitivo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), com base nas negociações de paz que acontecem em Havana. “Dei instruções aos negociadores para que iniciem, o mais rápido possível, a discussão “, disse Santos em uma mensagem pela TV.

Leia também: Farc declaram cessar-fogo unilateral

O governo e os guerrilheiros das Farc iniciaram as negociações de paz em novembro de 2012, mas sem acertar um cessar-fogo bilateral, devido ao temor do governo de ceder espaço à guerrilha para se reagrupar e se fortalecer militarmente. Em dezembro, as Farc anunciaram um cessar-fogo unilateral por tempo indefinido.

Em resposta à declaração de Santos, a delegação da guerrilha em Havana divulgou uma nota em que diz que está pronta para discutir a trégua bilateral. A guerrilha afirmou que um cessar-fogo entre as duas partes significaria, “em termos práticos”, o fim do conflito, muito antes da assinatura de um acordo final. As Farc acrescentaram que, apesar de Santos ter dito que a guerrilha está “no caminho correto” ao declarar uma trégua unilateral, a ordem do governo de continuar com a ofensiva contra o grupo é contraditória.

Continua após a publicidade

Acordo de paz – As negociações em Havana já permitiram acordos em três dos seis pontos da agenda – acesso à terra a agricultores pobres, facilitar a transformação da guerrilha em partido político e combater o tráfico de drogas – e outros três pontos permanecem pendentes: indenização das vítimas, abandono das armas e mecanismos para referendar o que foi acertado. Em mais de meio século, o conflito matou mais de 200 mil pessoas.

(Com agências EFE e AFP)

Publicidade