Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Colômbia detém navio chinês por transporte ilegal de armamento para Cuba

Toneladas de pólvora, milhões de detonadores, projéteis e balas de canhão foram encontrados na embarcação, mas registros indicavam que carga era de grãos

Por Da Redação 4 mar 2015, 18h03

Autoridades colombianas detiveram um navio operado pelo maior grupo de transporte marítimo da China por transportar ilegalmente balas de canhão, toneladas de pólvora e outros materiais utilizados para fabricar explosivos. O cargueiro ia para Cuba quando foi parado depois de uma inspeção no porto de Cartagena, no último sábado. “Aproximadamente 100 toneladas de pólvora, 2,6 milhões de detonadores, 99 projéteis e cerca de 3.000 balas de canhão foram encontrados”, enumerou Luis González, diretor nacional do gabinete da Procuradoria Geral da Colômbia.

No entanto, a documentação da carga apresentada pelo capitão do navio Da Dan Xia, operado pela Cosco Shipping (parte de um conglomerado estatal), descrevia algo bem menos suspeito. Nos registros, a carga declarada era de grãos. O capitão Wu Hong foi preso e poderá responder por transporte ilegal de material militar.

Leia também:

Cuba usou Porto de Mariel para vender armas à Coreia do Norte

ONU impõe sanções a transportadora norte-coreana que carregava armas de Cuba

Continua após a publicidade

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, afirmou que o cargueiro transportava suprimentos militares comuns para Cuba e não estava violando nenhuma regulamentação internacional. “É uma cooperação comercial militar completamente normal”.

Fotos divulgadas pelo Ministério Público mostram caixas de madeira dentro de um contêiner com etiquetas da Corporação das Indústrias do Norte da China, maior fabricante de armas da China. Um porta-voz da companhia afirmou que a embarcação estava transportando alguns de seus produtos, que foram vendidos legalmente. Mas acrescentou, sem explicar, que detalhes divulgados sobre o que estava a bordo “não são verdadeiros”.

O destinatário da carga era a importadora Tecnoimport, de Havana. China e Cuba têm laços comerciais cada vez mais estreitos — o presidente Xi Jinping visitou a ilha no ano passado, quando assinou uma série de acordos.

Em julho de 2013, um navio da Coreia do Norte foi detido na região do Caribe, perto do canal do Panamá, depois que armas da era soviética foram encontradas. A carga bélica estava escondida no meio de toneladas de açúcar. O Panamá libertou 32 tripulantes e a embarcação depois do pagamento de mais de 1 milhão de dólares em multa.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês