Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Colômbia define plebiscito sobre acordo de paz com as Farc

No dia 2 de outubro, colombianos vão decidir se apoiam o 'acordo final para o término do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura'

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, assinou nesta terça-feira o decreto que convoca um plebiscito que vai permitir aos colombianos endossar ou rejeitar o acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). A resolução definiu a data – 2 de outubro – e a pergunta que estará nas cédulas: “Você apoia o acordo final para o término do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura?”.

“É uma pergunta clara, sincera, que não dá margem a nenhuma confusão”, disse Santos ao assinar o decreto na sede da Presidência. Os colombianos devem responder “sim” ou “não” ao acordo que o governo e as Farc fizeram na semana passada, após uma negociação de paz de quase quatro anos em Cuba para terminar um conflito de mais de meio século, que já deixou mais de 220 000 mortos e milhões de deslocados.

LEIA TAMBÉM:
Paz na Colômbia: Farc anunciam cessar-fogo definitivo
Farc e governo fecham histórico acordo de paz na Colômbia

“Agora só falta o voto do povo colombiano! Está em suas mãos, nas mãos do povo, digam ‘sim’ a este acordo que vai mudar a história do país”, pediu o mandatário colombiano.

São necessários cerca de 4,5 milhões de votos a favor para que o acordo receba respaldo popular, o equivalente a 13% dos potenciais eleitores do país, segundo o jornal colombiano El Tiempo.

A convocação oficial ao plebiscito foi feita um dia após o início de um cessar-fogo bilateral e definitivo declarado por Santos e pelas Farc, que marcou o fim do conflito armado com a guerrilha, formada por cerca de 7 000 combatentes que se comprometeram a deixar armas.

(Com Reuters)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Felipe Atoline

    Pergunta completamente tendenciosa, quem seria contra “a construção de uma paz estável e duradoura”? A questão é que o tal acordo não dá nenhuma garantia disso.

    Curtir