Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Colômbia: 450 integrantes de bando a serviço do tráfico tentam rendição

Quatrocentos e cinquenta integrantes de um bando colombiano a serviço do narcotráfico, integrado na maioria por ex-paramilitares, se entregariam às autoridades locais antes do fim de 2011, noticiou a mídia local, citando fontes oficiais não identificadas.

O jornal El tiempo noticiou, citando funcionários oficiais, que a entrega coordenada pela promotoria deve se concretizar antes do fim do ano, destacando a mediação da Igreja Católica.

“Já está tudo pronto para submetermos à justiça 450 integrantes do Exército Revolucionário Popular Antisubversivo da Colômbia (Erpac)”, noticiou o jornal, em informações atribuídas a altos funcionários.

A Rádio Caracol anunciou ter confirmado com “fontes governamentais” que não identificou que os militares se entregariam até o fim do ano.

A AFP fez contato com um porta-voz da promotoria, mas ele não confirmou, nem desmentiu a informação.

Em declarações em novembro passado à revista Semana, o líder deste bando, Eberto López Montero, aliás ‘Caracho’, já tinha anunciado a intenção de se entregar, junto com várias centenas de homens.

Os ex-militantes se submeteriam à justiça local em ato organizado em Meta e Guaviare (leste), onde também se entregariam 60 líderes do grupo.

“À frente do grupo estão Eberto López Montero, aliás ‘Caracho’, e Germán Ramírez Devia, ‘Vacafiada’, os dois marginais que assumiram o comando do grupo após a morte do líder anterior e fundador, ‘Cuchillo’, e que há vários meses iniciaram, através de seus advogados, contatos com as autoridades”, destacou El Tiempo.

Esta seria a primeira entrega de grande proporção desde as grandes desmobilizações de milícias paramilitares, durante as negociações realizadas entre o governo de Álvaro Uribe (2002-2010) e os ultradireitistas das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), entre 2003 e 2006.

O Erpac está catalogado pelas autoridades como um bando formado, majoritariamente, por ex-paramilitares e narcotraficantes, e representa o maior risco para a ordem pública, segundo a polícia colombiana.