Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Clima: 1% mais rico do mundo emite o dobro de CO2 que metade mais pobre

Estudo da Oxfam, que atua contra a desigualdade social, revela que pequena porcentagem mais rica foi responsável por 15% das emissões dos últimos 25 anos

Por Da Redação Atualizado em 21 set 2020, 19h44 - Publicado em 21 set 2020, 18h53

Um estudo publicado pela ONG Oxfam nesta segunda-feira, 21, revelou que o 1% mais rico da população mundial emite o dobro de gases causadores do efeito estufa que a metade mais pobre do planeta. O texto, “Confrontando a desigualdade do carbono”, em tradução livre, afirma que “justiça social e climática” é essencial em qualquer pacote de estímulo pós-pandemia de coronavírus.

“Nos últimos 20 a 30 anos, a crise climática se agravou e o limitado orçamento global de carbono foi dilapidado para intensificar o consumo de uma população rica, não para tirar as pessoas da pobreza”, denuncia a Oxfam, que pesquisa e atua contra a desigualdade em 67 países.

ASSINE VEJA

A vez das escolas Leia esta semana em VEJA: os desafios da retomada das aulas nas escolas brasileiras. E mais: Queiroz vai assumir toda a responsabilidade por ‘rachadinha’
Clique e Assine

Em um período de 25 anos, de 1990 a 2015, “o 1% mais rico da população (quase 63 milhões de pessoas) foi responsável por 15% das emissões acumuladas, ou seja, o dobro em comparação à metade mais pobre da população mundial”. Aumentando o escopo, os 10% mais ricos da população mundial (630 milhões de pessoas) foram responsáveis por 52% das emissões acumuladas de CO2.

Durante esses anos, as emissões globais de CO2, responsáveis pelo aquecimento global, aumentaram quase 60%. E os grupos que “mais sofrem esta injustiça são os menos responsáveis pela crise climática: os mais pobres e as gerações futuras”, publicou a ONG.

Continua após a publicidade

“Está claro que esse modelo de crescimento econômico desigual e centrado no carbono não beneficiou a metade mais pobre da humanidade”, disse Tim Gore, pesquisador da ONG e especialista em política europeia e relações internacionais. “É uma dicotomia falaciosa sugerir que temos que escolher entre o crescimento econômico e o clima”, completou.

O texto faz um apelo para que os governos de todo o mundo coloquem a justiça social e a luta contra a mudança climática no centro dos planos de recuperação econômica para depois da pandemia de Covid-19.

No estudo, o ex-secretário-geral das Nações Unidas Ban Ki-moon afirma que a pandemia “trouxe à luz a necessidade de reconstruir a economia mundial de maneira melhor e colocá-la em um caminho mais justo, mais sustentável e mais resistente”.

“O compromisso coletivo deve ter como prioridade reduzir as emissões de CO2 da faixa mais rica da sociedade, que contamina o mundo de forma desproporcional”, completa.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês