Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Cinco soldados ucranianos são mortos em Donetsk

Os combates entre os separatistas pró-Rússia e o Exército ucraniano se tornaram mais intensos depois do fracasso das negociações de paz, no sábado

Por Da Redação 2 fev 2015, 06h45

Disparos de artilharia contra a cidade ucraniana de Donetsk mataram ao menos um civil nesta segunda-feira, enquanto as Forças Armadas de Kiev disseram que mais cinco soldados morreram em confrontos com separatistas do leste nas últimas 24 horas. Autoridades municipais em Donetsk disseram que quinze civis foram mortos em bombardeios durante o fim de semana em áreas residenciais da cidade, que é controlada pelos separatistas.

A nordeste de Donetsk, os rebeldes apoiados pela Rússia mantiveram os ataques para expulsar forças do governo da pequena cidade de Debaltseve, um centro ferroviário estratégico, em combates que se tornaram mais intensos desde o colapso das negociações de paz, no sábado. De acordo com os militares de Kiev, as forças separatistas lançaram mais de 100 disparos de artilharia, foguetes e tanques contra posições ucranianas e áreas residenciais nas últimas 24 horas.

Leia também

Confrontos no leste da Ucrânia matam 19 em 24 horas

Ataque de separatistas pró-Moscou deixa dezenas de mortos em Mariupol

Tropas ucranianas se retiram do aeroporto de Donetsk

“Como resultado desses ataques e de combates militares, a Ucrânia perdeu cinco militares e outros 29 ficaram feridos”, disse o porta-voz militar Vyacheslav Seleznyov a jornalistas. Os disparos de artilharia permaneceram ao longo da noite, vindo especialmente da área do aeroporto, que foi perdida pelas forças do governo para os separatistas há uma semana.

No centro de Donetsk, a cerca de um quilômetro da praça principal da cidade, um projétil atingiu uma casa de dois andares, matando um civil. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 5.000 pessoas, entre civis e combatentes, morreram no leste da Ucrânia desde meados de abril de 2014, em um conflito que provocou, além disso, o êxodo de centenas de milhares de refugiados.

(Com agências Reuters e EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade