Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Cinco dos oito mortos no atentado em Nova York são argentinos

As vítimas eram parte de um grupo de dez ex-alunos da Escola Politécnica de Rosário - cidade a 300 km de Buenos Aires. Eles comemoravam 30 anos de formatura

Por Agência Brasil - Atualizado em 1 nov 2017, 16h52 - Publicado em 1 nov 2017, 07h46

Cinco dos oito mortos no atentado terrorista ocorrido nessa terça-feira (31) no centro de Nova York são argentinos, informou o Ministério de Relações Exteriores da Argentina.

As vítimas eram parte de um grupo de dez ex-alunos da Escola Politécnica de Rosário – uma cidade a 300 quilômetros da capital, Buenos Aires. Eles tinham viajado aos Estados Unidos para comemorar os 30 anos de formatura e estavam passeando de bicicleta pelo bairro de Manhattan, quando foram atropelados. Mais um argentino foi ferido e está internado, mas fora de perigo.

O autor do atentado foi identificado como Sayfullo Saipov – um homem de 29 anos, nascido no Uzbequistão, que vive nos Estados Unidos desde 2010. Ele jogou uma caminhonete alugada contra pedestres e ciclistas, numa ciclovia movimentada no centro de Nova York. Só parou quando bateu em um ônibus escolar. Segundo testemunhas, ele desceu do veiculo gritando “Allahu Akbar” (Deus é grande, em árabe), antes de ser baleado pela polícia.

Os argentinos mortos foram identificados como Hernán Diego Mendoza, Diego Enrique Angelini, Alejandro Damián Pagnucco, Ariel Erlij y Hernán Ferruchi. Martín Ludovico continua no Presbiterian Hospital de Manhattan, mas está fora de perigo.

Publicidade

‘Doente e perturbado’

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chamou o autor do ataque de “doente e perturbado” em uma postagem no Twitter. “Em NYC, parece que houve outro ataque de uma pessoa muito doente e perturbada. As agências de segurança estão acompanhando isso de perto. Não nos Estados Unidos!”, escreveu Trump.

Logo em seguida, o líder americano postou outra mensagem, fazendo referência ao grupo terrorista Estado Islâmico (EI). “Não podemos permitir que o EI retorne ou entre em nosso país após derrotá-los no Oriente Médio e em outros lugares. Basta!”, escreveu.

Publicidade

 

 

Publicidade