Clique e assine a partir de 9,90/mês

China proíbe vídeos na internet de pessoas comendo banana de forma sedutora

Decisão faz parte de uma série de limitações impostas pelo governo sobre transmissões por streaming na web

Por Da Redação - 6 Maio 2016, 17h12

A censura chinesa está estendendo as suas restrições a terrenos bastante específicos: uma nova ordem emitida pelo governo do país proíbe que pessoas publiquem vídeos na internet em que aparecem comendo bananas de forma sedutora.

A informação foi divulgada nesta sexta-feira pela televisão estatal CCTV, em sua conta do Facebook (que também é bloqueado na China, mas acessível por meio de redes privadas VPN). Segundo a emissora, a proibição foi decretada depois de uma inspeção de vários serviços que transmitem vídeos ao vivo pela internet e são utilizados principalmente por jovens.

Leia também:

Presidente da China não quer mais ser chamado pelo apelido

Continua após a publicidade

Estudantes chineses apresentam doenças ligadas a contaminação química

Partido Comunista chinês revoga veto ao golfe

O Ministério de Cultura investigou os populares serviços em sites de streaming como Douyu, Panda.tv, YY e Zhanqi TV, e impôs uma série de limitações para os jovens que divulgam os vídeos. E uma delas cita expressamente as transmissões em que jovens aparecem comendo bananas em poses sedutoras ou eróticas diante das webcams.

Não são apenas os vídeos com a fruta que estão no radar do governo chinês. Os jornais locais divulgaram também que a proibição se estende para o uso de meias-calças com cinta-liga e de suspensórios durante as transmissões ao vivo. A medida faz parte das mais recentes tentativas das autoridades chinesas de impedir a circulação de conteúdo online “inadequada e erótico”, segundo a CCTV.

Continua após a publicidade

No mês passado, a censura chinesa apagou da internet vários vídeos populares da famosa blogueira Papi Jiang, que nos últimos meses tinha se transformado em uma das grandes sensações da rede com monólogos nos quais ironizava a vida cotidiana na China.

(Da redação, com agência EFE)

Publicidade