Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

China pode começar vacinar população em novembro, diz governo

Por enquanto, cinco das nove vacinas que chegaram à terceira fase dos testes clínicos em todo o mundo são desenvolvidas pelo país asiático

Por Da Redação Atualizado em 15 set 2020, 10h36 - Publicado em 15 set 2020, 10h27

Os cidadãos chineses podem começar a ser vacinados contra a Covid-19 em novembro ou dezembro, pois segundo revelou uma especialista do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China (CDC), citada nesta terça-feira 15 pela imprensa oficial do país, os testes clínicos estão ocorrendo sem problemas.

A assessora chefe de biossegurança do CDC, Wu Guizhen, expressou sua crença de que as vacinas contra a doença causada pelo coronavírus SARS-CoV-2 podem ter um efeito dentro de um e três anos, aponta o jornal estatal Global Times.

Por enquanto, cinco das nove vacinas que chegaram à terceira fase dos testes clínicos em todo o mundo são desenvolvidas pela China, então Wu disse que é o país asiático quem “lidera” a corrida para sua descoberta descobri-la. Aliás, a especialista participou de um dos testes realizados no país: “Fui injetada com uma vacina em abril, fui voluntária nos exames. Sinto-me bem agora”, explica.

Em relação à fabricação das vacinas, Wu Guizhen revelou que especialistas da Comissão Nacional de Saúde estão revisando “intensamente” as instalações de produção, e que, por enquanto, duas já receberam sinal verde das autoridades.

Continua após a publicidade

 

 

Por se tratar de um vírus de “alto risco”, ela ressalta que é imprescindível que as vacinas sejam produzidas em um ambiente de pressão negativa, evitando que o patógeno seja filtrado para fora ou para outras salas.

Pelo menos duas vacinas experimentais já foram administradas a “centenas de milhares de chineses” sem contágios ou efeitos colaterais, conforme explicou há uma semana um diretor do Grupo Nacional de Biotecnologia da China (CNBG), desenvolvedor de dois dos soros imunes chineses que estão na fase três dos testes clínicos.

ASSINE VEJA

Covid-19 no Brasil: o pior já passou Leia nesta edição: Queda na curva de mortes mostra sinais de alívio na pandemia. E mais: por que o futuro político de Lula está nas mãos de Bolsonaro
Clique e Assine

(Com EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)