Clique e assine a partir de 9,90/mês

China instala mísseis em ilha disputada e desagrada EUA

Casa Branca quer pressionar a China a acatar a sentença de um tribunal das Nações Unidas que vai decidir sobre a soberania das ilhas. Decisão sai entre abril e maio

Por Da Redação - 17 fev 2016, 06h38

A China instalou mísseis terra-ar em uma ilha do arquipélago Paracel, uma área disputada no Mar da China Meridional, confirmaram nesta quarta-feira militares de Taiwan, citando fotografias de satélite que comprovam a presença dos armamentos. Horas depois, a emissora de televisão americana Fox News, citando informações obtidas com militares americanos, informara que a China dispõe de um sistema de lançamento de mísseis em uma das ilhas do arquipélago disputado com outras nações do sudeste asiático no Mar da China Meridional.

A Fox também mostrou imagens tomadas por satélites nas quais é possível ver duas baterias de oito lançadores de mísseis terra-ar e um sistema de radares na ilha Woody, que é parte do arquipélago Paracel. Os mísseis chegaram na semana passada, já que as imagens de satélite mostram a praia vazia em 3 de fevereiro e já com os equipamentos a partir do dia 14.

Leia também

EUA vendem armas a Taiwan e China reclama

China constrói escolas em ilhas disputadas com outros países

EUA voltam a provocar Pequim com voos sobre ilhas no Mar da China Meridional

Continua após a publicidade

Reação dos EUA – Barack Obama tenta integrar todos os governos da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), em uma postura comum frente a Pequim e a sua decisão de militarizar o Mar da China Meridional. O objetivo da Casa Branca é organizar uma coalizão com seus aliados do Pacífico para pressionar a China a acatar a sentença de um tribunal da Organização das Nações Unidas (ONU). A Corte de Arbitragem da ONU deve decidir entre abril e maio, se tem sustentação legal a pretensão chinesa de exercer soberania sobre uma vasta extensão do mar que inclui os arquipélagos Paracel e Spratly.

A ação chinesa de instalar mísseis contribui para o aumento das tensões na região desde que no ano passado se soube que a potência asiática realizou construções de grande porte em ilhotas e recifes das ilhas Spratly, transformando-as em autênticas ilhas artificiais, inclusive com pistas de pouso e guarnições militares. Coincidentemente, nesta quarta, os ministros das Relações Exteriores da China, Wang Yi, e Austrália, Julie Bishop, se reúnem em Pequim para falar da militarização das ilhas Spratly e Paracel.

Leia mais

China alerta EUA para perigo de guerra no mar

Jornal estatal chinês diz que guerra entre China e EUA pode ser inevitável

Esses dois arquipélagos são disputados por vários países da região. As ilhas Paracel são controladas pela China, mas Taiwan e Vietnã também reivindicam sua soberania, enquanto o arquipélago das Spratly, que são mais dispersas, é controlado parcialmente por China, Filipinas, Taiwan, Vietnã e Malásia, enquanto Brunei também mantém reivindicações sobre as ilhas.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade