Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

China confisca papel higiênico com imagem de político de Hong Kong

Os itens com caricaturas do diretor-executivo da província de Hong Kong seriam vendidos pelo Partido Democrático durante o Ano Novo chinês, ainda em fevereiro

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h40 - Publicado em 7 fev 2015, 15h10

As autoridades chinesas apreenderam 8 000 rolos de papel higiênico e 20 000 embalagens de lenços impressos com caricaturas do diretor-executivo da província de Hong Kong, Leung Chun-ying. Os itens seriam vendidos em um mercado durante o Ano Novo chinês, celebrado neste mês, de acordo com Lo Kin-hein, vice-diretor do Partido Democrático de Hong Kong, responsável pelos objetos.

“Eu acho que [as autoridades chinesas] não gostam de pessoas brincando com os membros do governo, especialmente os de alto escalão. Eles se tornaram mais cautelosos sobre as críticas que recebem”, disse.

Leia também:

Retirada de acampamentos em Hong Kong tem 209 presos

Polícia remove último acampamento pró-democracia

A apreensão ocorreu semanas após Hong Kong ser revirada por protestos pró-democracia. Os manifestantes ocuparam o centro financeiro da província semiautônoma, demandando maiores liberdades eleitorais. Durante os protestos, Leung foi alvo dos ataques dos cidadãos, que o consideram uma marionete do governo central.

Cerco à liberdade – O partido havia comercializado 4 000 rolos de papel higiênico com as imagens de Leung no ano passado e decidiu produzir ainda mais este ano. Com as vendas de 2014, o partido obteve uma receita bruta de 12 900 dólares. Em uma das imagens, o diretor-executivo é retratado com duas presas, enquanto em outra ele tem a palavra “mentiroso” estampada na testa. O símbolo do Partido Comunista da China também foi impresso em alguns dos produtos.

Lo diz considerar o ato preocupante, já que indica um maior cerco à liberdade de expressão garantida pela Constituição de Hong Kong. “É alarmante para o povo de Hong Kong que eles continuem a suprimir a liberdade. Nós nos iremos virar o continente se esse tipo de brincadeira não for permitida em Hong Kong”, diz Lo.

(Com Estadão Conteúdo e Agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade