Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Chega a 200 número de mortos em exploão de arsenal no Congo

Por Da Redação 5 mar 2012, 06h47

Brazaville, 5 mar (EFE).- O número de mortos por causa do incêndio e posteriores explosões em um arsenal na capital da República do Congo chegou a 200 pessoas, aos quais se somam centenas de feridos, informou nesta segunda-feira o jornal governista congolês ‘Les Dépêches’, de Brazaville.

No entanto, o número poderia aumentar nas próximas horas, já que ‘os soldados das Forças de Segurança desdobrados continuam recuperando corpos enterrados sob os escombros’ dos múltiplos prédios destroçados, disse o porta-voz do Governo e ministro da Informação do país, Bienvenu Okiemy.

Em declarações pela televisão, Okiemy disse que o fogo no armazém militar do bairro de Mpila, iniciado na manhã de domingo e causado por um curto-circuito, ‘está sob controle’, embora ainda existam ‘pequenos focos’.

Segundo o porta-voz, as Forças de Segurança estão desdobradas por este bairro e pelos arredores, para assegurar que o caos e a destruição causados pelo fato não conduzam a atos de pilhagem nas lojas e casas da região.

Além disso, Okiemy disse que o Governo congolês já tinha decidido a realocação dos quartéis militares, fora das cidades, um plano que afetava o situado em Mpila.

‘Meus pais vivem não muito longe de Mpila e o teto de sua casa caiu. Felizmente, não estavam em casa no momento da tragédia, mas seus vizinhos não tiveram tanta sorte’, explicou ontem a ‘Les Dépêches’ uma jovem de Brazaville, cidade de um milhão de habitantes.

As explosões no depósito de armamento e munição do bairro de Mpila, próximo ao rio Congo, causaram enormes danos materiais não só em Brazaville, mas também em Kinshasa, capital da República Democrática do Congo (RDC), localizada na margem oposta.

Segundo pôde comprovar a Efe, um grande número de imóveis ficaram danificados em Kinshasa, entre eles o edifício do Escritório Nacional Congolês de Transporte, que fica no porto da cidade e que teve que ser evacuado. EFE

Continua após a publicidade
Publicidade