Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Chefes dos serviços de inteligência da Grã-Bretanha defendem espionagem

Em sessão inédita no Parlamento, diretor do MI6 diz que inimigos devem “estar esfregando as mãos de satisfação” com vazamentos

Por Da Redação 7 nov 2013, 15h12

Três chefes dos serviços de inteligência britânicos foram ouvidos em conjunto nesta quinta-feira numa sessão no Parlamento britânico para explicar a atuação de suas agências em meio aos escândalos de espionagem envolvendo os EUA e a Grã-Bretanha. Na sessão, que foi classificada como “sem precedentes” pela imprensa britânica, eles afirmaram que suas tarefas são “fortalecer a democracia”.

Ao falar sobre os vazamentos provocados por Edward Snowden, o ex-analista da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês), John Sawers, chefe do MI6, o serviço de inteligência internacional da Grã-Bretanha, disse que os inimigos do país estão “esfregando as mãos de contentamento” com a divulgação das informações. “Os vazamentos de Snowden têm sido muito prejudiciais, colocaram as nossas operações em risco. Está claro que nossos adversários estão esfregando as mãos em satisfação.” Ele afirmou ainda que os terroristas estão mudando a forma de se comunicar porque perceberam, após a revelação dos vazamentos, que seus sistemas são frágeis.

Leia também:

Britânicos espionaram a Alemanha, diz jornal

Agências europeias trabalharam em conjunto para espionar

Continua após a publicidade

CIA paga para AT&T coletar dados, segundo NYT

Além de Sawers, a audiência organizada pela Comissão de Inteligência e Segurança do Parlamento reuniu também Andrew Parker, diretor do serviço de inteligência interno MI5, e Iain Lobban, responsável pela agência de inteligência GCHQ (Government Communications Headquarters, central de comunicações governamentais). O depoimento deles, que durou uma hora e meia, foi transmitido pela televisão com dois minutos de atraso, o que poderia eventualmente permitir a edição de trechos que divulgassem dados secretos ou potencialmente prejudiciais para o país. Normalmente, esse tipo de audiência é realizada a portas fechadas.

Andrew Parker defendeu o trabalho das agências afirmando que 34 planos terroristas haviam sido desbaratados por elas desde julho de 2005 (quando aconteceram os atentados de Londres). Ele também minimizou os temores de que o trabalho de espionagem fere a democracia. “Nós acreditamos que é justamente o contrário. Nosso trabalho é responder diretamente às ameaças contra este país, nosso modo de vida às pessoas que vivem aqui”, disse.

Ao ser perguntado sobre o fato de que a Grã-Bretanha espionou outras nações, inclusive aliadas, Parker também afirmou que o trabalho do MI5 está concentrado em terrorismo, e que só 10% dos recursos são gastos com o monitoramento de estados estrangeiros.

“Não passamos o dia escutando chamadas telefônicas ou lendo mensagens eletrônicas da maioria, da ampla maioria. Seria desproporcional, seria ilegal, não fazemos isso”, disse. Por fim o chefe disse que o trabalho do GCHQ está focado no terrorismo, e que a agência não aceitaria espionar pessoas inocentes.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês