Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Chefe do Estado Islâmico foi ferido em ataque aéreo

De acordo com o jornal 'The Guardian', Abu Bakr al-Baghdadi foi seriamente ferido em bombardeio realizado em 18 de março. Ele sobreviveu e se recupera lentamente

Por Da Redação - 21 abr 2015, 10h01

A maior liderança do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al-Baghdadi, foi gravemente ferido em um ataque aéreo no oeste do Iraque, reporta nesta terça-feira o jornal britânico The Guardian. Um conselheiro militar iraquiano revelou que Baghdadi sofreu ferimentos graves durante um ataque da coalizão liderada pelos Estados Unidos em março. A fonte disse que os ferimentos colocaram a vida de Baghdadi em risco, mas, desde então, ele está em lenta recuperação. Baghdadi, no entanto, ainda não retomou o controle da organização.

O incidente com Baghdadi levou o EI a fazer reuniões urgentes. Inicialmente, os comandantes do grupo acreditavam que ele iria morrer e fizeram planos para nomear um novo líder. Dois funcionários – um diplomata ocidental que não quis de identificar e o conselheiro iraquiano Hisham al-Hashimi – separadamente confirmaram que o ataque que atingiu Baghdadi ocorreu em 18 de março, em al-Baaj, uma pequena localidade perto da fronteira com a Síria – numa região controlada pelos jihadistas.

Leia também

Estado Islâmico decapita 5 homens acusados de apoiar o regime sírio

Publicidade

Estado Islâmico executa 30 cristãos etíopes em novo vídeo

Ex-coronel de Saddam Hussein está por trás do crescimento do EI

O diplomata confirmou que o ataque aéreo atingiu um comboio de três carros que transportavam comandantes do EI. A investida tinha como alvo os líderes militares do EI e os membros da coalizão não sabiam que Baghdadi estava em um dos carros. Ainda segundo o diplomata, três comandantes jihadistas foram mortos neste ataque.

Al-Hashimi disse ao Guardian: “Sim, ele foi ferido em al-Baaj em 18 de março com um grupo que estava com ele”. Posteriormente, a inteligência da coalizão confirmou que Baghdadi estava há muito tempo em al-Baaj, que fica a cerca de 200 quilômetros Mosul, cidade iraquiana controlada pelos jihadistas. “Ele escolheu esta área porque sabia que era bem protegida por seus homens”, disse al-Hashimi.

Publicidade

Leia mais

Vídeo: Chefe jihadista usa relógio caro e condena luxo

EI divulga aúdio de líder para afastar rumores de morte

Já é pelo menos a segunda vez que os EUA ficam próximos de aniquilar Baghdadi, que é fichado como terrorista internacional desde 2011. Em 14 de dezembro, jatos americanos atingiram dois carros nos arredores de Mosul. Auf Abdul Rahman al-Efery, assessor de Baghdadi foi morto no ataque. A inteligência americana acredita que o chefe do EI estava justamente no carro que não foi atingido pelos mísseis. Nos últimos meses, os ataques aéreos têm sido cada vez mais eficazes no combate às lideranças do EI. Além do assessor de Baghdadi, Abu Muslim al-Turkmani, chefe de operações militares do grupo jihadista no Iraque, foi morto no início de dezembro.

Publicidade

(Da redação)

Publicidade