Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Chefe de Gabinete de Cristina rasga o jornal ‘Clarín’ em coletiva

Jorge Capitanich afirmou que há um “confronto de meios opositores” contra o governo. 'Clarín' publicou uma reportagem que foi desmentida pela Justiça

Por Da Redação 2 fev 2015, 13h01

O chefe de Gabinete do Executivo da Argentina, Jorge Capitanich, rasgou em pedaços páginas do jornal Clarín [confira vídeo abaixo] nesta segunda-feira durante uma entrevista coletiva. Capitanich denunciou um “confronto político de meios opositores” contra o governo, após a Justiça argentina ter desmentido recentemente uma notícia do jornal sobre a presidente Cristina Kirchner.

Capitanich rasgou as páginas com uma reportagem sobre a existência de um esboço da denúncia do procurador-geral Alberto Nisman, morto em circunstâncias não esclarecidas, no qual ele solicitaria a prisão de Cristina Kirchner por acobertamento de acusados iranianos pelo atentado de 1994 contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia). Após rasgar as páginas do jornal, o chefe de Gabinete advertiu que em 2015 a “perseguição da mídia vai uma dinâmica muito ativa neste ano eleitoral”.

Leia também

Cristina Kirchner critica Justiça e ameaça: ‘Ninguém vai me calar’

Em funeral de Nisman, argentinos pedem paz e justiça

Nisman não confiava nem em seguranças, diz dono de arma

Continua após a publicidade

Caso Nisman: “Argentina fica mais escura”, diz deputado opositor

Alberto Nisman foi encontrado morto em seu apartamento com um tiro na cabeça na véspera de apresentar no Congresso detalhes de sua denúncia contra a presidente argentina e vários de seus colaboradores. Segundo Nisman, a denúncia se baseia em evidências reunidas mediante escutas telefônicas sobre as manobras do governo argentino para “livrar de toda suspeita os acusados iranianos” e “fabricar a inocência do Irã” no atentado contra a Amia, que deixou 85 mortos.

Saiba mais

Entenda as denúncias contra Cristina Kirchner e seus apoiadores

Vídeo: Capitanich rasga o jornal ‘Clarín’

(Com agências EFE e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade