Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Chávez exibe drone e exalta produção de armas no país

Aviões não tripulados são fabricados com apoio de China, Rússia e Irã

Hugo Chávez e Henry Rangel Silva, ministro da defesa venezuelano

 (/)

O ditador venezuelano, Hugo Chávez, exibiu nesta quarta-feira o primeiro avião não tripulado (drone) – para uso civil e militar – fabricado na Venezuela, com o apoio de Irã, Rússia e China. O caudilho afirmou ainda que pretende exportar a aeronave. De acordo com autoridades venezuelanas, o drone venezuelano não tem capacidade para transportar armas.

Segundo o ditador, três aviões já foram montados. “Vamos seguir fabricando (os drones) e não apenas para uso militar, mas também para emprego civil”, disse Chávez durante reunião com comandantes no ministério da Defesa.

O ditador elogiou ainda o que chamou de progresso na fábrica de fuzis AK103, que, segundo ele, com o apoio da Rússia, deve produzir 25 mil armas e 70 milhões de balas por ano. “É um direito nosso, que não teríamos se fôssemos uma colônia, mas somos um país livre e independente.”

Leia também:

Leia também: Chávez e Ahmadinejad vão se encontrar depois da Rio+20

Leia também:

Leia também: Chávez oficializa candidatura para tentar completar vinte anos no poder

Características – O general Julio Morales, presidente da Companhia Anônima Venezuelana de Indústrias Militares (Cavim), afirmou que o drone não transporta armamento, tem raio de ação de 100 km, autonomia de voo de 90 minutos e pode atingir uma altitude de 3.000 metros.

O drone foi montado com peças fabricadas na Venezuela sob a orientação de engenheiros militares treinados pelo Irã. A aeronave tem 4 metros de envergadura por 3 metros de comprimento – e poderá transmitir, em tempo real, fotos e vídeos.

Estados Unidos- Os Estados Unidos vigiarão os projetos conjuntos da Venezuela e do Irã para fabricar as aeronaves, declarou nesta quinta-feira a porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland. “Os venezuelanos e os iranianos dão muitas declarações extravagantes. Acompanharemos de perto como tudo isso avança”, disse Victoria em entrevista coletiva.

(Com agência AFP)