Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Chávez e Putin apoiam defesa de Síria e Irã contra ‘potências colonialistas’

Caracas, 17 jan (EFE).- O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e o primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, convergiram em defender a Síria e o Irã contra o ‘assédio’ das ‘potências colonialistas’, informou a Chancelaria de Caracas nesta terça-feira, um dia após uma conversa por telefone entre os líderes.

Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores venezuelano assinalou que os dois governantes conversaram por telefone nesta segunda-feira e exaltaram a ‘solidez dos laços estratégicos’ entre Caracas e Moscou, que fecharam 2011 com um intercâmbio comercial de US$ 1,4 bilhão.

Chávez e Putin expressaram sua ‘plena concordância na defesa da independência e da soberania da República Árabe Síria e da República Islâmica do Irã, diante do assédio e da ingerência das potências colonialistas’, diz o comunicado.

Enquanto o governo venezuelano manifestou seu respaldo ao presidente sírio, Bashar al-Assad, os russos se opuseram à ingerência externa e ao uso da força contra a Síria, como ocorreu na Líbia, e antecipou que rejeitará qualquer proposta de resolução que inclua sanções contra o regime de Damasco.

Em matéria bilateral, o primeiro-ministro russo destacou o ‘início das operações do Banco Binacional Russo-Venezuelano e o desenvolvimento da cooperação técnico-militar como grandes conquistas de 2011’, acrescenta o texto oficial.

Segundo a corporação estatal russa para a exportação de armas, a Venezuela comprou quase US$ 11 bilhões em armas russas na última meia década, o que a transformou no principal importador do armamento russo na América Latina.

Putin também informou que seu governo ‘antecipa as gestões para acelerar os investimentos’ das empresas russas no Bloco Junín 6 da rica Faixa Petrolífera do Orinoco.

Os políticos aproveitaram o contato telefônico para ratificar ‘sua amizade pessoal’, decidindo manter o ritmo regular de seus contatos e intercâmbios, de acordo com o comunicado da Chancelaria. EFE

csc/sa