Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Chávez e Ahmadinejad vão se encontrar depois da Rio+20

Ditadores que prometeram "amizade para sempre" devem aproveitar visita do iraniano ao Brasil. Países têm cooperação em energia e tecnologia

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anunciou na quarta-feira que seu colega iraniano, o ditador iraniano Mahmoud Ahmadinejad, visitará Caracas “em poucos dias”, para seguir avançando em sua aliança binacional “para a paz”. “Em breve vem nos visitar o presidente Lukashenko, o presidente bielo-russo, e também o presidente do Irã, Ahmadinejad”, disse Chávez em um ato do comando militar transmitido em cadeia obrigatória de rádio e televisão.

Chávez indicou recentemente que Aleksandr Lukashenko visitaria o país em 26 de junho, mas não especificou a data da chegada do iraniano, embora tenha garantido que será depois da realização no Brasil da Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável Rio+20.

“Eles vêm ao Rio e querem passar por aqui e nos visitar, para nos cumprimentar e seguir avançando nos projetos, nas alianças, todas para a paz”, disse o venezuelano.

O último encontro entre Chávez e Ahmadinejad ocorreu em 9 de janeiro, no início de uma viagem que levou o presidente iraniano pela América Latina. Na ocasião, a comunidade internacional aumentou a pressão contra Teerã por causa de seu programa nuclear. Durante a visita, a quinta de Ahmadinejad a Caracas, os líderes prometeram “amizade para sempre” e reafirmaram sua aliança para “frear a loucura imperialista” – loucura na visão de Chávez e Ahmadinejad, entenda-se.

A visita permitiu realizar o encontro adiado em setembro do ano passado, quando o ditador iraniano suspendeu uma viagem à Venezuela devido à recuperação de Chávez, que em junho passado passou por uma cirurgia para remoção de um tumor.

A Venezuela é um dos principais aliados do Irã na América e os laços bilaterais foram se estreitando desde que Ahmadinejad chegou ao poder em 2005. Neste momento, os dois países têm programas de cooperação em setores como energia, habitação, automóvel, alimentar e tecnológico.

(Com EFE)