Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Chávez defende chanceler e retira militares do Paraguai

Nicolás Maduro é acusado de organizar golpe militar para impedir impeachment

Por Da Redação 5 jul 2012, 15h59

O ditador da Venezuela, Hugo Chávez, rejeitou nesta quinta-feira as acusações do Paraguai contra o chanceler venezuelano Nicolás Maduro sobre o fato de que teria cometido uma grave intervenção na destituição do ex-presidente Fernando Lugo. Como resposta, o caudilho ordenou a retirada dos adidos militares venezuelanos em Assunção.

Leia mais:

Suprema Corte vai analisar nova ação de Fernando Lugo

“Nicolás Maduro é acusado de estar forjando um golpe no Paraguai ou de ter se reunido com generais paraguaios. Claro que os generais estavam lá, e ele estava com os demais chanceleres cumprindo uma missão da Unasul”, afirmou Chávez em um discurso ante a Assembleia Nacional. Durante sua fala, o venezuelano informou que na quarta-feira ordenou a retirada dos adidos militares venezuelanos em Assunção.

Na véspera, o Paraguai anunciou a retirada de seu embaixador na Venezuela e declarou “persona non grata” o embaixador de Caracas em Assunção (José Javier Arrúe de Pablo), diante do que qualificou de “grave intervenção” por parte de Maduro na crise de destituição de Lugo.

Intromisssão – Por sua vez, a Justiça do Paraguai anunciou na segunda-feira o início de uma investigação sobre a intromissão do ministro venezuelano de Relações Exteriores, que tentou mobilizar os comandantes militares paraguaios para evitar a destituição de Lugo em um julgamento político no Congresso.

A presença de Maduro e Prado no Palácio de Governo junto aos comandantes militares paraguaios, poucos minutos antes de ser divulgado o veredicto do julgamento político contra Lugo, foi registrada por um vídeo divulgado na terça-feira por ordem do presidente paraguaio, Federico Franco.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)