Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Centenas de rabinos dos EUA pedem que Congresso apoie acordo nuclear com Irã

Os religiosos acreditam que o acordo é a melhor alternativa atual de proteger o mundo contra a ameaça iraniana

Mais de 300 rabinos americanos pediram nesta segunda-feira ao Congresso dos Estados Unidos que apoie o acordo internacional com o Irã. Em uma carta aberta, eles afirmam que entendem que há espaço para dúvidas na comunidade internacional, mas optaram por apoiar o acordo por acharem a melhor solução possível nesse momento da história. Os líderes religiosos são provenientes de vários setores, mas pertencem, sobretudo, à corrente do judaísmo conservador e reformista, além de outros movimentos progressistas judeus, segundo um porta-voz.

“Estimulamos os membros do Senado e os representantes do Congresso a apoiar este acordo”, escreveram os 340 rabinos em uma carta ao Congresso distribuída pela Ameinu, uma organização beneficente progressista judaica. Os religiosos se mostraram preocupados em passar a ideia de que são contra o acordo, por isso decidiram oficializar seu apoio. Na carta afirmam também que o pacto aparece como a melhor alternativa atual de proteger os Estados Unidos, Israel e todo o mundo contra a ameaça iraniana.

Leia mais:

Obama sofre revés com oposição de democratas a acordo com Irã

Obama: ‘Se Congresso barrar acordo com Irã, teremos outra guerra no Oriente Médio’

John Kerry tenta tranquilizar aliados do Golfo Pérsico sobre acordo com Irã

O acordo, alcançado no mês passado depois de um ano de intensas negociações, estipula que Teerã não desenvolverá uma bomba nuclear em troca de um levantamento progressivo das sanções internacionais que afogam sua economia. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se opõe fortemente ao acordo devido ao fato de suas cláusulas não serem, segundo ele, suficientemente rígidas para impedir que o Irã construa uma bomba atômica e a utilize contra Israel. Duas semanas atrás, Netanyahu convocou os grupos judeus americanos a impedir o acordo apoiado pela Casa Branca. A comunidade judaica está dividida em relação ao acordo.

(Da redação)