Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Caso Madeleine: quase 500 pessoas procuram a polícia

Após programa 'Crimewatch', da rede BBC, mostrar novos retratos falados de suspeito, a Scotland Yard recebeu cerca de 300 telefonemas e 170 e-mails

Por Da Redação - 15 out 2013, 06h08

Aproximadamente 500 pessoas entraram em contato com a polícia britânica para fornecer informações sobre o caso Madeleine McCann após a transmissão, na noite desta segunda-feira, de um programa sobre o desaparecimento da menina, há mais de seis anos, em Portugal.

Leia mais:

Desaparecimento de Madeleine pode ter sido crime premeditado

Scotland Yard diz que Madeleine McCann pode estar viva

Publicidade

Segundo a Scotland Yard, foram recebidas cerca de 300 telefonemas e 170 e-mails após a edição desta segunda do “Crimewatch”, da rede BBC, que se concentrou no caso do desaparecimento da menina, ocorrido em 3 de maio de 2007 em Praia da Luz, no Algarve português. Durante o programa, foram apresentados novamente os retratos falados digitais de um possível suspeito, divulgados na véspera pela polícia britânica.

O detetive da Polícia Metropolitana de Londres a cargo da investigação, Andy Redwood, disse que está satisfeito com a repercussão do programa entre os telespectadores. Os agentes avaliarão agora as informações, recebida nos estúdios da BBC e em dois centros de atendimento da polícia em dois bairros de Londres, Belgravia e Hendon.

“Estamos muito satisfeitos com a repercussão do ‘Crimewatch'”, disse Redwood, que informou que viajará para a Holanda e também à Alemanha, onde também foi transmitido o programa, para pedir a colaboração da população. “Madeleine é o centro de tudo o que fazemos e vou seguir informando à família McCann assim que receber mais informações”, especificou o detetive.

Crime premeditado – A polícia está convencida de que o desaparecimento de Madeleine foi planejado e concentra as investigações nos movimentos de pessoas entre 20h30 e 22 horas da noite no crime, quando a mãe da menina, Kate McCann, descobriu que sua filha não estava no quarto onde a havia deixado dormindo, antes de sair para comer com seu marido, Gerry McCann, em um restaurante próximo.

Publicidade

As imagens digitais divulgadas nesta segunda são de um homem supostamente relacionado com o caso e que aparentemente foi visto caminhando em direção à praia com uma menina nos braços perto das 22 horas do dia do desaparecimento.

As autoridades portuguesas abandonaram o caso em 2008, mas a Scotland Yard começou a revê-lo em 2011 e, neste ano, reabriu a investigação de maneira oficial.

A decisão da Scotland Yard de iniciar sua própria investigação oficial aconteceu depois que o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, aceitou em 2012 um pedido dos McCann para rever o caso.

(Com agência EFE)

Publicidade