Clique e assine a partir de 9,90/mês

Casal é acusado de crime de ódio após vandalizar pintura contra racismo

Inscrição com dizeres 'Black Lives Matter' foi pintada por ativistas em rua de Martínez, na Califórnia, com a autorização da prefeitura

Por Redação - Atualizado em 8 jul 2020, 15h20 - Publicado em 8 jul 2020, 15h01

Um casal de americanos brancos que vandalizou uma inscrição do Black Lives Matter pintada em uma rua da cidade de Martínez, no norte da Califórnia, foi formalmente acusado de crime de ódio nesta quarta-feira, 8. O caso aconteceu durante a tarde de sábado 4, dia em que se comemora a independência dos Estados Unidos.

A dupla usou tinta preta para cobrir a inscrição pintada no asfalto, em frente ao Tribunal de Justiça da cidade. Em um vídeo divulgado nas redes sociais, é possível ver a mulher apagando a inscrição na rua, enquanto o homem discute com outras pessoas que tentavam questionar a ação.

Os dizeres “Black Lives Matter”, ou vidas negras importam, em português, foram pintados no próprio sábado por ativistas antirracismo com a autorização da prefeitura da cidade. A dupla que o depredou poucas horas depois foi identificada pela polícia como Nicole Claudia Anderson, de 42 anos, e David Richard Nelson, de 53. Os dois são casados e vivem em Martínez.

Além das acusações por crime de ódio, eles enfrentam processo por vandalismo e posse de ferramentas para cometer vandalismo ou pichação. O julgamento ainda não foi agendado, mas se condenados os americanos podem pegar até um ano de prisão.

Continua após a publicidade

Na acusação contra o casal, a promotora Diana Becton afirma que a pintura “foi uma maneira pacífica e poderosa de comunicar a importância das vidas negras no Condado de Contra Costa e no país”. Após a vandalização, a inscrição foi restaurada e os moradores têm circulado pela área para evitar mais danos.

A polícia de Martínez também investiga a pintura ilegal da inscrição “White Lives Matter”, ou vidas brancas importam, em uma avenida em outra área da cidade. Em comunidade, as autoridades afirmaram que uma mulher foi flagrada cobrindo as palavras com tinta preta, mas que ainda não sabem quem pintou a mensagem pela primeira vez.

ASSINE VEJA

Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Clique e Assine
Publicidade