Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Cartéis do narcotráfico usam crianças para levar drogas do México aos EUA

Por serem menores, norte-americanos detidos cumprem penas leves. Já os mexicanos preferem ser deportados

Por Da Redação 8 jan 2012, 13h20

A agência antidrogas do governo dos Estados Unidos (DEA) e o Serviço de Alfândegas e Migração do país (ICE) alertam que crianças e adolescentes de 11 a 17 anos são recrutados pelos cartéis do narcotráfico para que sirvam de ‘mulas’ – transportadores de drogas, pois é mais provável que passem despercebidos pelos postos de controle na fronteira.

Segundo informações publicadas neste domingo pela imprensa mexicana, as crianças e adolescentes são filhos de mexicanos, latinos e americanos, procedentes dos dois países. No entanto, desde o segundo semestre de 2011, notou-se um aumento dos que vivem nos EUA, pois eles têm a vantagem da nacionalidade.

San Diego, na Califórnia, cidade fronteiriça com a mexicana Tijuana, é um dos pontos onde o nível de recrutamentos aumentou nos últimos meses do ano passado. Na cidade, o número de menores de idade detidos também aumentou.

Os crimes em que eles estiveram envolvidos foram narcotráfico, cumplicidade em extorsões e sequestros, pirataria, corrupção e espionagem, entre outros.

Em alguns casos, as crianças e adolescentes já faziam parte de grupos criminosos nos Estados Unidos e, ao serem recrutados pelos cartéis mexicanos, passam por testes para demonstrar sua lealdade.

Os pagamentos feitos aos menores, explica a DEA, dependem do grupo criminoso que os recruta. Los Zetas e o Cartel do Golfo estariam oferecendo-lhes uma média de US$ 500 por transporte de droga, US$ 1 mil por vigiar reféns durante um mês e US$ 1,5 mil por atuar como espiões para anunciar a movimentação de soldados e policiais.

Os menores que trabalham para os cartéis e foram detidos pelo Serviço de Alfândegas e Migração afirmam que o dinheiro é parte importante de seu recrutamento. Por serem menores de idade, se detidos, cumprem penas de apenas 15 meses em campos juvenis, quando norte-americanos. Já os mexicanos preferem ser deportados para continuar com suas atividades.

(Com Agência EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)