Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Calma não significa que não haverá ‘forte reposta’ à China, diz Taiwan

A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, comunicou ordem ao Ministério da Defesa para tomar contramedidas necessárias para defender espaço aéreo

Por Da Redação
30 ago 2022, 10h12

A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, disse nesta terça-feira, 30, que quanto mais a China provocar, mais calma a ilha deve ficar. No entanto, durante uma visita a ilhas no tenso Estreito de Taiwan, ela destacou que a contenção não significa que não possa haver “fortes contramedidas” se necessário.

A China, que reivindica Taiwan como seu território apesar das fortes objeções do governo de Taipei, realizou exercícios militares ao redor da ilha este mês após uma visita da presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi.

Visitando uma importante base aérea e naval nas ilhas Penghu, no Estreito de Taiwan, Tsai elogiou as forças armadas por seus esforços incansáveis ​​para proteger Taiwan e condenou Pequim por seus exercícios e intimidação.

“Quero dizer a todos que quanto mais o inimigo provocar, mais calmos devemos ficar”, disse Tsai.

“Não provocaremos disputas e exerceremos autocontrole, mas isso não significa que não iremos contrariar”, acrescentou.

Continua após a publicidade

“Ordenei ao Ministério da Defesa Nacional que tome contramedidas necessárias e fortes em tempo hábil para defender a segurança do espaço aéreo do país”, disse Tsai, sem dar mais detalhes.

Nenhum tiro foi disparado, e o governo de Taiwan disse repetidamente que respondeu com calma às atividades da China. Mas Taiwan ficou particularmente irritada recentemente com drones chineses voando muito perto de ilhas que o território controla ao lado da costa da China, que Tsai disse ser parte da guerra de “zona cinzenta” de Pequim.

Os navios de guerra e caças baseados em Penghu estão saindo armados com munição real desde que a China iniciou seus exercícios neste mês, disseram oficiais a repórteres durante a viagem.

A unidade militar chinesa responsável pela área adjacente a Taiwan, o Comando de Teatro Oriental do Exército de Libertação Popular, divulgou em 15 de agosto um vídeo das ilhas Penghu, aparentemente feito pela força aérea chinesa.

Continua após a publicidade

+ Visita de Nancy Pelosi eleva tensão em Taiwan e põe mundo em alerta

Os militares de Taiwan chamaram o vídeo de “guerra de informação”, acusando a China de exagero e dizendo que não era verdade que as forças chinesas haviam chegado perto das ilhas.

Penghu, destino turístico de verão devido às suas belas praias, fica perto da costa sudoeste de Taiwan, ao contrário das ilhas Kinmen e Matsu, controladas por Taiwan, que ficam bem próximas às costas da China.

As forças armadas de Taiwan estão bem equipadas, mas são ofuscadas pelas da China. Tsai tem supervisionado um programa de modernização e fez do aumento dos gastos com defesa uma prioridade.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.