Clique e assine com até 92% de desconto

Brics cobram ação dos países ricos e defendem nações em desenvolvimento

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul afirmam pobres não podem sofrer porque nações desenvolvidas não souberam crescer sem destruir o planeta

Por Marco Túlio Pires, do Rio de Janeiro 22 jun 2012, 07h43

Vinte anos depois da Eco-92, o mundo não é mais bilateral, com alinhamentos orientados de acordo com o que ditavam Estados Unidos e Rússia. Tampouco é viável dividir o planeta entre ricos e pobres. Entender o mundo em que ocorre a Rio+20 exige ter consciência de que dentro de nações extensas como Brasil, Rússia, Estados Unidos e China há regiões prósperas e zonas de pobreza com necessidades particulares.

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul têm quase metade da população mundial, 40% do território do planeta e um PIB que, segundo o Fundo Monetário Internacional, pode ser superior ao da União Europeia em 2012.

Durante a Rio+20, os Brics usaram a tribuna da reunião de cúpula para cobrar que os países ricos assumam as promessas que fizeram em 1992 de poluir menos e preservar as espécies do planeta. Mostraram exemplos de desenvolvimento sustentável já alcançados internamente e defenderam que os mais pobres não podem sofrer porque os países mais ricos não souberam crescer sem destruir o planeta. Confira o que cada país defendeu em discurso para os chefes de estado na Rio+20:

Publicidade