Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Brasileiros são presos no México tentando entrar ilegalmente nos EUA

Os cinco brasileiros faziam parte de um grupo de 22 pessoas e tinham pagado para poderem ser conduzidos ilegalmente por 'coiotes' nas trilhas entre os dois países

Por Da Redação 29 jul 2015, 08h00

Policiais do Estado de Tamaulipas, no norte do México, interceptaram cinco brasileiros e outras dezessete pessoas de outras nacionalidades, entre elas sete crianças, tentando entrar ilegalmente nos Estados Unidos. O Grupo de Coordenação de Tamaulipas, formado por órgãos de segurança federais e estaduais, indicou em comunicado que os imigrantes foram detidos em três operações realizadas nos municípios de Reynosa, Novo Morelos e Matamoros, após denúncias.

No total, foram 22 pessoas detidas pelos agentes. Além dos cinco brasileiros, estão no grupo doze hondurenhos e cinco salvadorenhos. Segundo a investigação, eles pagaram para os chamados ‘coiotes’ para poderem ser guiados pelas trilhas que atravessam a fronteira do México com os EUA. “Essas pessoas foram flagradas em agrupamentos de coiotes e esperando o momento para poder atravessar a fronteira dos Estados Unidos”, indicaram as autoridades mexicanas no comunicado. “Os estrangeiros receberam atendimento necessário. Depois foram colocados à disposição do Instituto Nacional de Migração para receberem assistência diplomática e garantirem um retorno assistido aos seus países”, relata a nota. Os detidos não tiveram suas identidades reveladas pelas autoridades.

Leia também

Imigração do México para os EUA cai drasticamente, revela estudo

Chineses superam mexicanos em mudança migratória inédita nos EUA

O governo do México implementou em maio de 2014 uma nova estratégia de segurança em Tamaulipas, utilizando de mais agentes federais no combate ao crime e à imigração ilegal no Estado. A cada ano, milhares de imigrantes ilegais tentam cruzar a fronteira rumo aos EUA em busca de melhores oportunidades de vida, mas durante a travessia pelo México correm o risco de caírem nas mãos do crime organizado.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade