Clique e assine a partir de 8,90/mês

Brasileiro executado na Indonésia é enterrado em Curitiba

Corpo do paranaense Rodrigo Muxfeldt Gularte foi enterrado na tarde deste domingo no Cemitério Iguaçu. Ele foi condenado à morte por tráfico de drogas

Por Da Redação - 3 Maio 2015, 17h02

O brasileiro Rodrigo Muxfeldt Gularte, 42, executado na última semana na Indonésia, por tráfico de drogas, foi enterrado às 15h15 deste domingo no Cemitério Iguaçu, em Curitiba. Gularte havia pedido para ser sepultado no Brasil. O corpo estava na capital paranaense desde a noite de sexta-feira e chegou ao cemitério nesta manhã. Amigo da família, o advogado Cleverson Teixeira confirmou a informação. No início do caso, ele chegou a fazer intervenções junto ao governo asiático como coordenador de Direitos Humanos da seção paranaense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PR).

LEIA TAMBÉM:

O destino de duas indonésias presas por tráfico no Brasil

Quase 1.000 brasileiros estão presos por tráfico de drogas em outros países

Gularte estava preso desde 2004, quando foi flagrado no aeroporto de Jacarta com seis quilos de cocaína escondidos em pranchas de surfe. A partir daí, a diplomacia brasileira iniciou tratativas para tentar repatriá-lo, mas esbarrou na linha-dura do governo indonésio.

O encarregado de negócios do Brasil em Jacarta, Leonardo Carvalho, contou à BBC Brasil as últimas palavras de Gularte. “Daqui irei para o céu e ficarei na porta esperando por vocês”, teria dito ele. Além do Gularte, foram fuzilados na semana passada dois australianos, quatro nigerianos e um indonésio.

No último ano, o brasileiro chegou a ser diagnosticado como esquizofrênico por autoridades sanitárias locais, mas, ainda assim, o governo local se manteve irredutível e executou Gularte juntamente com outras sete pessoas condenadas por tráfico de drogas. Segundo a BBC, Angelita Muxfeldt, prima de Gularte, permanecia em contato com ele na Indonésia desde fevereiro e acompanhou a distância a execução.

Gularte foi o segundo brasileiro a ser executado na Indonésia. O carioca Marco Archer Cardoso Moreira foi fuzilado em janeiro, também condenado à morte por tráfico de drogas.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade