Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Brasileira é presa durante protesto feminista na Eurocopa

Sara Winter, de 19 anos, é a 1ª integrante do grupo Femen nascida no Brasil

Por Da Redação 25 jun 2012, 00h37

Sara Winter, a primeira brasileira integrante do grupo feminista Femen – que ficou conhecido internacionalmente pelos protestos feitos por mulheres de topless – foi presa neste domingo pela polícia ucraniana durante uma manifestação em Kiev, uma das cidades-sede da Eurocopa 2012.

Leia também:

Leia também: ‘O seio não é um objeto sexual. É uma arma de protesto’, diz Sara Winter

Segundo o Fantástico, da Rede Globo, ela e outra integrante do Femen foram detidas e levadas pelos policiais quando protestavam do lado de fora do estádio Olímpico de Kiev, onde Inglaterra e Itália jogavam pelas quartas de final da competição.

As duas estavam com os seios à mostra e traziam frases de protesto pintadas no corpo, como “Raped by Euro 2012” (Estuprada pelo euro – ou a Euro – 2012) e cartazes que pediam “Sexo Livre” (Free Fuck). Além disso reclamavam do turismo sexual e exploração das mulheres com gritos e palavras de ordem.

A manifestação atraiu dezenas de fotógrafos e integrantes de equipes de TV. Eles registraram a ação dos policiais, que agarraram as ativistas e as carregaram até um ônibus da polícia. Sara chegou a usar as pernas para tentar ficar presa a uma grade, mas um funcionário da organização da Euro 2012 conseguiu soltá-la.

Aos 19 anos, a brasileira estuda cinema em São Paulo e usa um sobrenome fictício – ela não revela o verdadeiro para proteger sua família. Ela chegou na Ucrânia na noite do último sábado e planejava se juntar às demais ativistas do Femen durante a Eurocopa para aproveitar a visibilidade da competição, como revelou em entrevista ao site de VEJA.

De acordo com o Fantástico, Sara e a outra integrante do Femen detida, uma ucraniana, passariam a madrugada de domingo para segunda na cadeia. A manifestação na Ucrânia foi a primeira organizada pelo Femen da qual a brasileira participou. Até então, ela mantinha contato com uma das líderes do grupo, Inna Shevchenko, apenas pelo Facebook.

A brasileira Sara Winter (esquerda) protestava contra a exploração sexual
A brasileira Sara Winter (esquerda) protestava contra a exploração sexual VEJA
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)