Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Brasil muda posição e vota a favor de resolução sobre Irã na ONU

Conselho de Direitos Humanos aprovou envio de relator especial à República Islâmica

Por Da Redação
24 mar 2011, 12h04

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou nesta quinta-feira, por 22 votos a favor e 7 contra, uma resolução para “apontar um relator especial sobre a situação de direitos humanos na República Islâmica do Irã”. O Brasil votou a favor da medida, marcando uma mudança de postura em relação ao governo anterior. Nos últimos anos, a diplomacia brasileira não só se abstinha ou votava contra este tipo de resolução, mas também apoiava violadores contumazes dos direitos humanos, como o Irã, cujo presidente Mahmoud Ahmadinejad foi chamado de amigo pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A resolução, cujo texto foi obtido na última quarta-feira pelo site de VEJA, foi aprovada em meio a denúncias de repressão a dissidentes e do aumento nas execuções no Irã. Catorze países se abstiveram na votação e quatro – das 47 nações representadas no Conselho – não votaram.

O projeto foi aprovado no penúltimo dia da 16ª reunião do Conselho, realizada desde o final de fevereiro em Genebra. Anteriormente, Teerã já afirmara que recusa essa iniciativa, por considerá-la uma intromissão em seus assuntos internos. A República Islâmica não é membro do Conselho.

Diplomacia – O Brasil, que nos últimos oito anos apoiou regimes que violam sistematicamente os direitos humanos, vinha dando diversos sinais de que corrigiria este erro e votaria a favor da resolução. Em 7 de março, a missão brasileira da ONU em Genebra homenageou a vencedora do Prêmio Nobel da Paz e crítica ferrenha do regime iraniano, Shirin Ebadi, oferecendo-lhe um almoço.

Três dias depois, a missão brasileira fez uma declaração enfática no Conselho, condenando a intolerância religiosa no mundo. Entre os pontos citados no documento oficial, estava a discriminação contra a fé Bahá’í, perseguida pelo regime iraniano.

Continua após a publicidade

Mesmo antes de sua posse, a presidente Dilma Rousseff já vinha sinalizando uma mudança na política externa do Brasil. Em uma entrevista concedida ao jornal americano The Washington Post, em dezembro do ano passado, ela condenou o apedrejamento no Irã e qualquer outro tipo de “prática ‘medieval’ contra mulheres”. A declaração foi festejada por líderes internacionais.

Direitos humanos – Além dos Bahá’ís, que têm 69 integrantes presos no Irã, o regime islâmico também colocou atrás das grades diversos estudantes, jornalistas, advogados, cineastas e líderes sindicais. De acordo com a Anistia Internacional, mais de 100 prisioneiros foram executados só neste ano no país.

(Com Agência Estado)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.