Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil expressa “grande satisfação” pelo acordo nuclear com o Irã

Governo brasileiro divulgou nota na tarde desta terça-feira cumprimentando as partes envolvidas no acordo

O governo brasileiro, que há cinco anos participou de frustradas negociações sobre o programa nuclear iraniano, expressou nesta terça-feira uma “grande satisfação” pelo acordo alcançado entre o país persa e as principais potências do mundo.

Nas negociações concluídas nesta terça participaram Alemanha, China, EUA, França, Grã-Bretanha e Rússia, que acordaram com o Irã uma série de iniciativas que visam limitar o programa nuclear iraniano e abrandar as sanções econômicas ao país.

Leia mais:

Conheça os principais pontos do acordo com o Irã

Líderes mundiais reagem ao acordo nuclear iraniano

Obama: “Se o Irã não cumprir sua palavra, todo o peso das sanções vai voltar”

“O governo brasileiro cumprimenta todas as partes pela vontade política, a persistência e a determinação demonstradas ao longo de um processo negociador completo e de elevada sensibilidade”, diz uma nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores.

O comunicado cita que “o Brasil sempre apoiou, inclusive mediante a Declaração de Teerã de 2010, todos os esforços diplomáticos destinados a garantir a natureza pacífica do programa nuclear iraniano e a normalização das relações do Irã com a comunidade internacional”.

A nota aponta que “o acordo anunciado hoje evidencia, mais uma vez, a eficácia da diplomacia e a negociação como instrumentos capazes de construir uma paz verdadeiramente sustentável”.

O Brasil, junto com a Turquia, intermediou em 2010 uma negociação para um acordo sobre o polêmico programa nuclear do Irã que foi frustrada pela oposição dos Estados Unidos e outros países.

Nessas negociações, propunha-se que o Irã deixasse de enriquecer seu urânio e que enviasse 1,2 mil quilos do mineral a outro país, que devolveria apenas uma décima parte enriquecida a 20% para ser usada em Teerã somente em pesquisas científicas e produção de remédios.

(Com EFE)