Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Brasil e países das Américas pedem eleições livres na Venezuela

O Grupo de Lima, formado por 12 países americanos, requisitou a participação de observadores internacionais nas eleições regionais de outubro

Por Da redação
Atualizado em 5 out 2017, 22h12 - Publicado em 5 out 2017, 21h58

O Grupo de Lima, formado pelo Brasil e outros 11 países das Américas, cobrou que o governo da Venezuela garanta a livre participação de todos os candidatos inscritos nas próximas eleições regionais do país, que acontecem no dia 15 deste mês.

Em nota, o grupo formado por Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru, além do Brasil, pediu ainda a participação de observadores internacionais durante o processo para permitir que “seus resultados sejam um reflexo fiel da vontade popular e tenham a legitimidade necessária”.

“Exortam o governo venezuelano e o Conselho Nacional Eleitoral a agir no âmbito de suas funções, com total transparência, imparcialidade e objetividade, para garantir a livre participação de todos os candidatos, incluindo o direito de substituí-los de acordo com a lei, e que este processo seja realizado com pleno respeito pelo voto livre, secreto, efetivo e universal”, diz o texto.

As eleições regionais venezuelanas, onde são escolhidos os governadores de 23 dos 24 Estados do país – a exceção é o Distrito Federal da Capital -, deveriam ter acontecido em dezembro de 2016, mas foram adiadas duas vezes pelo governo do presidente Nicolás Maduro.

Continua após a publicidade

O Conselho Nacional Eleitoral, responsável por definir a data da eleição, anunciou em setembro a realização da votação em 15 de outubro. Maduro se recusa a permitir a observação das eleições do país por monitores de organizações independentes. Na eleição para a Assembleia Constituinte, em julho, o único grupo de observação participante era composto, em sua maioria, por aliados internacionais do regime.

O Grupo de Lima foi criado em agosto, na capital peruana, quando seus integrantes condenaram a “ruptura” da ordem democrática na Venezuela frente às ações da Assembleia Constituinte promovida por Maduro.

(Com Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.