Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil cai 13 posições no ranking mundial da paz

Em entrevista exclusiva, o australiano Steve Killelea, idealizador da pesquisa, diz que o elevado número de homicídios e a violência dos protestos gerados pela crise política explicam a queda

O Brasil está mais violento. É o que aponta o Índice Global da Paz 2015, divulgado hoje pelo Instituto para Economia e Paz, com sede em Sydney, na Austrália. Em apenas um ano, o país despencou da 90ª para a 103ª posição no ranking que elenca 162 nações de acordo com seu grau de pacificidade – quanto mais próxima do final, menos pacífica. O topo da lista é ocupado pela Islândia desde a primeira edição do Índice, em 2007.

O documento, que analisa 23 indicadores quantitativos (gastos com o exército, taxa de homicídios e população carcerária) e qualificativos (a relação com os vizinhos, por exemplo), estima que o impacto da violência na economia mundial seja da ordem de 14,3 trilhões de dólares (44,2 trilhões de reais). O Brasil, sozinho, tem um gasto de cerca de 255 bilhões de dólares (788 bilhões de reais) para tentar conter os índices de violência — é o quinto maior entre todos os países analisados.

Leia também:

Custo da violência alcança US$ 14 trilhões no mundo, aponta estudo

Uma semana antes de divulgar o relatório deste ano do Índice Global da Paz, o empresário e filantropo australiano Steve Killelea, idealizador do ranking e também do Instituto para Economia e Paz, esteve no Brasil para a Convenção Internacional do Rotary. Killelea, de 65 anos, começou a carreira no ramo da tecnologia e, hoje, é um dos maiores filantropos de seu país. A seguir, a entrevista que ele concedeu com exclusividade a VEJA:

Em um ano, o Brasil caiu 13 posições no Índice Global da Paz – despencou do 90º para o 103º lugar. O que aconteceu? O Brasil, assim como muitos países da América Latina, tem sua nota bastante impactada por crimes violentos e homicídios. Recentemente, li um artigo que chamou muito a minha atenção. Dizia que, no ano passado, a polícia brasileira havia matado 1,6 mil pessoas, aproximadamente. É muita coisa. Na Islândia, por exemplo, os policiais não andam nem armados. Neste ano, além do número de homicídios (25,2 casos para cada 100 mil habitantes), o desempenho do Brasil foi impactado pelos casos de corrupção no governo, pela estagnação econômica e pela inflação. Esses fatores geraram descontentamento na população e motivaram protestos violentos pelo país.

Atualmente, há uma grande discussão no Brasil sobre a redução da maioridade penal. Um jovem menor de 18 anos deve ser preso e punido por seus atos? Há muitos estudos em criminologia que afirmam que a punição não é tão importante quanto a percepção do criminoso de que será pego. Portanto, pessoas que cometem crimes devem ser encontradas e punidas. Quão dura deve ser essa pena é uma outra questão.

O Índice estima o custo global da violência em 14,3 trilhões de dólares. Só o Brasil gasta 255 bilhões e é a quinta nação que mais investe recursos para tentar conter a violência. Como o Institute for Economics and Peace (IEP), responsável pelo levantamento, chega a esses números? Nós analisamos o custo de lidar com as consequências da violência. Analisamos gastos com forças armadas, homicídios e outros crimes violentos, polícia, população encarcerada, seguros. É uma análise holística, que dividimos em três partes: custos diretos (no caso de um homicídio, seria o gasto médico associado ao caso e o gasto com a investigação policial), custos indiretos (no caso de um homicídio, seria a perda de uma pessoa que ainda poderia produzir e injetar seus ganhos na economia) e, por fim, há o que chamamos de efeito multiplicador, ou seja, se um país realocar o que gasta com a violência em coisas mais produtivas, usar o dinheiro que seria investido em uma prisão para construir uma escola, por exemplo, haverá um impacto positivo em cadeia.

Por qual razão os Estados Unidos, mais desenvolvidos que o Brasil, ocupam a 94ª posição e, portanto, não têm um desempenho muito melhor no ranking? O que puxa a nota dos Estados Unidos para baixo é uma combinação de fatores: alta taxa de encarceramento – proporcionalmente, é a nação com mais pessoas presas do mundo -; disponibilidade muito grande de armas; taxa de homicídios elevada, se comparada a outros países desenvolvidos; e, também, o fato de o país se envolver em muitos conflitos no Oriente Médio. Os Estados Unidos são o país com o maior gasto militar: 1,3 trilhão de dólares anuais. A China, que está logo atrás; gasta 370 bilhões de dólares.

O que podemos aprender com a Islândia, que há anos ocupa o topo do Índice Global da Paz? A sociedade islandesa convive com um ambiente natural muito hostil. Há até uma piada local: “O que você faz se ficar perdido em uma floresta na Islândia? Fica em pé, porque não há vegetação que ultrapasse meio metro”. Há milhares de anos, os habitantes dessa região precisavam contar com a ajuda uns dos outros para sobreviver. E essa mentalidade de cooperação ainda é muito forte na Islândia. Além disso, o país é rico e tem dinheiro para investir no que for preciso. Por fim, como outras nações que têm bom desempenho no ranking, os islandeses são resilientes e lidam bem com situações extremas, em vez de ficarem estressados. Na crise econômica global, a Islândia foi o país mais afetado. Eles quebraram muito mais que a Grécia. Um novo partido político foi formado e, em nove meses, ele ganhou poder e começou a mudar a direção do país.

É possível vencer o terrorismo de maneira pacífica? Produzimos um relatório, em 2014, com dados de um estudo que acompanhou 260 movimentos terroristas diferentes entre os anos 60 até mais ou menos os anos 2000. Desse total, sete por cento foram derrotados militarmente, 10% atingiram o objetivo que almejavam e os outros 83% foram contidos com uma combinação de intervenção militar e negociação. Em 2013, 84% das mortes por terrorismo ocorreram em cinco países: Nigéria, Paquistão, Afeganistão, Iraque e Síria. Hoje, 64% das mortes são causadas por quatro organizações: Al Qaeda, Isis, Boko Haram e Talibã. Esses grupos surgiram do extremismo islâmico e, portanto, têm algo em comum. Quando uma organização terrorista ultrapassa mil membros, a única maneira de vencê-la é com intervenção militar.

Então, o senhor não é contra o uso da força militar? Não, de maneira nenhuma. Essas situações se tornam muito complexas, mas, se não houvesse uma resposta militar ao Isis, por exemplo, o grupo teria assumido o controle de 11 regiões no Oriente Médio. Partes da Síria, Turquia, Iraque, Jordânia e Palestina teriam sido tomadas. Seria um completo desastre.

Os países pobres são mais vulneráveis à violência? De modo geral, sim. Há uma relação muito intensa entre paz e renda per capita. Mas há também o conceito de paz positiva, que é mais do que simplesmente a abstinência de violência. A paz positiva é a distribuição igualitária de recursos e poder; é a presença de justiça social por meio de oportunidades iguais. Os fatores que formam uma sociedade pacífica são importantes também para o desenvolvimento, pois impactam num ambiente de negócios competitivo, na igualdade de gênero, no ambiente saudável para se fazer negócio, na transparência, na corrupção e em muitas outras coisas.

Como a comunidade internacional pode trabalhar para reduzir a violência? A primeira coisa é controlar a disponibilidade de armas. Raramente as pessoas fazem a ligação entre número de crimes violentos e a oferta de armas. Os países têm que se esforçar mais para tirar as armas das ruas. A segunda é preparar-se para a urbanização dos países em desenvolvimento. Hoje, metade da população mundial vive em cidades. Até 2050 essa porcentagem subirá para 70%. Noventa e um por cento dos novos integrantes virão de países em desenvolvimento e as cidades tendem a ser mais violentas do que as áreas rurais. Logo, se vamos ficar mais urbanizados, é preciso construir as estruturas certas para que a violência não aumente.

De que maneira surgiu a ideia de criar o Índice Global da Paz? Eu e minha mulher montamos uma fundação familiar há mais ou menos 25 anos. Por causa dessa fundação, fomos a muitos países em desenvolvimento e, há cerca de dez anos, enquanto viajámos pelo Congo, visitando alguns projetos por lá, pensei: quais serão os países mais pacíficos do mundo e o que podemos aprender com eles? Procurei na internet e não encontrei uma lista ou ranking que elencasse as nações pelo grau de pacificidade. O índice nasceu dessa curiosidade. Quando me decidi por esse tema, fiquei surpreso ao constatar quão pouco sabíamos sobre ele. Nós estudamos muito mais a violência do que as sociedades resilientes ou o que torna uma sociedade pacífica. Ninguém começa um negócio novo sem reunir uma série de métricas. Os governos produzem uma quantidade enorme de métricas. Medimos tudo, mas não tínhamos uma forma de medir a paz. E, sem isso, era impossível compreendê-la.