Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil aceita fornecer logística para entrega de reféns das Farc na Colômbia

Bogotá, 16 fev (EFE).- O governo brasileiro aceitou fornecer os meios logísticos para a missão humanitária de entrega dos ao menos seis reféns que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) prometeram libertar, informaram nesta quinta-feira fontes do Executivo em Bogotá.

‘Anunciamos ao país que o governo do Brasil aceitou a solicitação do governo da Colômbia de participar da libertação dos sequestrados’, declarou o vice-ministro da Defesa, Jorge Enrique Bedoya, em paralelo a uma reunião ministerial da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

Bedoya acrescentou que, após a aceitação, o Executivo colombiano ‘está pronto para trabalhar com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e o governo do Brasil na redação do protocolo para a missão’.

A ajuda do governo brasileiro inclui o fornecimento de helicópteros e agentes, que deverão buscar nas selvas da Colômbia os reféns que as Farc prometeram libertar unilateralmente.

O vice-ministro expressou que ‘o interesse do governo da Colômbia não é outro além de que os sequestrados retornem o mais rápido possível para suas famílias’.

As Farc anunciaram em novembro sua decisão de libertar de maneira unilateral seis sequestrados. Os reféns escolhidos foram o militar Luis Alfonso Beltrán Franco e os policiais Carlos José Duarte, César Augusto Lasso Monsalve, Jorge Trujillo Solarte, Jorge Humberto Romero e José Libardo Forero, todos eles com mais de 12 anos de cativeiro.

Após voltar atrás de sua decisão de libertá-los em duas ocasiões, sempre diante de uma missão liderada pela ex-congressista Piedad Córdoba, os rebeldes anunciaram em 1º de fevereiro que adiavam a entrega de maneira indefinida por conta da militarização da área na qual a libertação estava prevista.

Piedad, líder do coletivo Colombianas e Colombianos pela Paz (CCP), esteve à frente de várias missões nas quais as Farc libertaram de maneira unilateral cerca de 20 reféns.

O CPJ instou os rebeldes a entregarem agora os 11 militares que continuam em seu poder, e não apenas seis.

O mesmo apelo foi feito pelo governo do presidente colombiano, Juan Manuel Santos, que há apenas quatro dias escreveu em seu perfil no Twitter que o Brasil já tinha autorização para participar da operação humanitária. EFE