Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brahimi renuncia ao posto de mediador para a Síria

Depois de Kofi Annan, diplomata argelino abandona o cargo depois de fracassar na tentativa de encontrar uma solução para o conflito

O conflito na Síria derrubou mais um enviado especial das Nações Unidas. Nesta terça-feira, o argelino Lakhdar Brahimi renunciou ao posto, depois de falhar na tentativa de aproximar representantes do regime Bashar Assad e do grupo opositor Coalizão Nacional Síria. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, elogiou o diplomata, mas reconheceu que a organização “não foi capaz de conseguir nenhum progresso” na Síria. Ele informou que o argelino ficará no cargo até o dia 31 deste mês e não informou se haverá ou não um sucessor.

Leia também:

“Nada de substantivo”, diz mediador sobre negociações

Oposição e regime sírios conversam, pela 1ª vez, em Genebra

Oposição veta participação de Assad em eventual governo de transição da Síria

Brahimi, de 80 anos, assumiu o cargo em agosto de 2012, depois de outro mediador internacional, Kofi Annan, abandonar a missão na Síria, pelos mesmos motivos. No início deste ano, Brahimi mediou uma série de encontros em Genebra, na Suíça, mas as conversas terminaram sem avanços. Negociadores do regime Assad e da oposição concordaram com tréguas limitadas a algumas regiões para permitir que assistência humanitária chegasse aos moradores, mas o conflito continuou na maior parte do país.

Saiba mais:

Depois de fugir da guerra, sírios enfrentam falta de comida e água

Brasileira relata trabalho humanitário em campo de refugiados sírios

Em março, o conflito que começou com protestos de jovens muçulmanos sunitas contra Assad completou três anos. A escalada da violência envolveu até o uso de armas químicas e o surgimento de uma milícia tão radical, o Estado Islâmico do Iraque e da Síria, que entrou em guerra até contra bandos subordinados à Al Qaeda. Mais de 150.000 pessoas foram mortas e milhares de sírios foram forçados a deixar suas casas. A destruição atinge grandes áreas de cidades como Alepo, Homs e Hama.