Clique e assine a partir de 9,90/mês

Boris Johnson recebeu oxigênio, mas não utiliza respirador

Premiê britânico é único líder mundial a testar positivo para coronavírus e está na UTI; Reino Unido está virando novo epicentro da doença na Europa

Por Da Redação - Atualizado em 7 Apr 2020, 11h13 - Publicado em 7 Apr 2020, 08h40

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, que passou a noite na UTI após o agravamento de seu estado de saúde devido ao coronavírus, recebeu oxigênio, mas não teve que utilizar um respirador, informou um de seus ministros nesta terça-feira, 7.

“O primeiro-ministro recebeu um pouco de oxigênio”, disse o ministro de gabinete Michael Gove à emissora de rádio LBC. “Mas não foi aplicado um respirador”, completou, antes de explicar que o aparelho está no local para o caso de necessidade.

ASSINE VEJA

Até quando? As previsões dos cientistas para o fim do isolamento A imensa ansiedade para a volta à normalidade possível, os dramas das vítimas brasileiras e a postura equivocada de Bolsonaro diante da crise do coronavírus
Clique e Assine

Único líder de uma grande potência enfermo de Covid-19, Johnson, 55 anos, foi internado no Hospital St Thomas de Londres no domingo para ser submetido a exames depois que os sintomas persistiam por 10 dias. Na segunda-feira à tarde, seu estado de saúde “se agravou e, por conselho da equipe médica, foi transferido para a Unidade de Terapia Intensiva”, informou durante à noite um porta-voz de Downing Street.

Enquanto o primeiro-ministro está internado, o Executivo é liderado pelo ministro das Relações Exteriores, Dominic Raab.

Continua após a publicidade

Enquanto na Itália e Espanha a pandemia começar a dar sinais de uma leve desaceleração, o Reino Unido está virando um novo epicentro na Europa. Na segunda-feira, o país superou 5.000 mortes, com 439 vítimas fatais em 24 horas.

Apesar do número de mortes diárias ter registrado queda pelo segundo dia consecutivo – após 621 no domingo e 708 no sábado -, a mortalidade bateu vários recordes na semana passada e os especialistas advertem contra um otimismo antecipado.

(Com AFP)

Publicidade