Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Bomba não detonada explode em Gaza e jornalista italiano morre

Simone Camilli, da agência AP, acompanhava desativação de explosivo

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h52 - Publicado em 13 ago 2014, 09h14

A explosão de uma bomba não detonada deixou sete mortos na Faixa de Gaza nesta quarta-feira, incluindo um jornalista italiano que trabalhava para a agência de notícias Associated Press. Simone Camilli, de 35 anos, morreu enquanto filmava a desativação do míssil. A explosão ocorreu em Beit Lahiya, ao norte de Gaza. O Ministério de Relações Exteriores da Itália confirmou a morte do videojornalista.

O tradutor Ali Shehda Abu Afash, que acompanhava o jornalista, também morreu e um fotógrafo, Hatem Moussa, ficou ferido, assim como outras quatro pessoas. Camilli é o primeiro jornalista estrangeiro morto no atual conflito em Gaza, que já deixou quase 2.000 palestinos mortos. Do lado israelense, 64 soldados e três civis morreram nos confrontos.

Leia também:

Sem avanços, negociações sobre Gaza seguem no Cairo

Israel pede desculpas ao Brasil por comentário, diz Planalto

Em comunicado, a polícia de Gaza lamentou a morte de três de seus homens e informou que uma bomba não detonada ao ser lançado por israelenses havia explodido. Um cessar-fogo de três dias, em vigor desde segunda-feira, termina à meia-noite desta quinta, pelo horário local (18 horas de Brasília).

Negociações entre israelenses e palestinos, mediadas pelo Egito, não avançaram em direção a um acordo que garanta um período de paz duradouro na região. O Hamas, grupo fundamentalista palestino que controla Gaza, insiste no fim do bloqueio à região como condição para qualquer acordo. Mas as restrições impedem que os terroristas tenham acesso a armas estrangeiras.

Continua após a publicidade
Publicidade