Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bolsonaro promete revelar países que compram madeira ilegal do Brasil

Presidente brasileiro afirmou em reunião com os Brics que os mesmos países que criticam sua política ambiental têm incentivado o mercado de contrabando

Por Da Redação 17 nov 2020, 13h24

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira, 17, que o governo irá divulgar uma lista de países que criticam o Brasil por conta do desmatamento da Floresta Amazônica, mas compram madeira extraída ilegalmente da região.

A declaração foi feita terça durante a 12° cúpula dos Brics, realizada por meio de videoconferência e presidida pelo mandatário da Rússia, Vladimir Putin. “Estaremos revelando nos próximos dias os países que têm importado madeira extraída de forma ilegal da Amazônia”, disse Bolsonaro, que insinuou que parte dos compradores são “severos críticos ao meu governo”. O presidente brasileiro também prometeu que a prática do desmatamento ainda diminuirá “muito” durante seu mandato.

Os países que participaram da reunião pediram por reformas estruturais nas agências da Organização das Nações Unidas (ONU). A China, por sua vez, exaltou o Acordo de Paris e pediu compromisso ao texto.

“Temos que alcançar a harmonia entre o homem e a natureza. O aquecimento global não parou por causa da pandemia”, disse Xi, acrescentando que é necessário “cumprir o Acordo de Paris com base no princípio da responsabilidade comum”. 

“Anunciei, recentemente, na ONU, a iniciativa da China de aumentar suas contribuições voluntárias internas para que nossas emissões de CO2 diminuam até 2030 e nos tornemos um país neutro em carbono até 2060”, afirmou o mandatário.

Durante os dois primeiros anos de governo, Bolsonaro e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foram criticados interna e externamente por suas visões quanto à Floresta Amazônica, ao mesmo tempo em que a região sofria com uma das piores queimadas já registradas. O Pantanal foi outro bioma brasileiro afetado pelas chamas neste ano.

Reformas

Pleito histórico, principalmente do Brasil e da Índia, os países do Brics pediram por reformas em organismos multilaterais, como o Conselho de Segurança da ONU com o objetivo de “torná-lo mais representativo, eficaz e eficiente e aumentar a representação dos países em desenvolvimento, de modo que possa responder adequadamente aos desafios globais. 

Continua após a publicidade

“Os sistemas multilaterais estão em crise. Há questionamentos sobre a credibilidade e a eficácia de instituições da governança global. A principal razão é que elas não mudaram com o tempo. Até hoje, elas se baseiam na mentalidade e na realidade de 75 anos atrás”, afirmou o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi.

Outras reformas que os países pediram foram do Fundo Monetário Internacional (FMI), da Organização Mundial do Comércio (OMC) e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Bolsonaro, por sua vez, disse que a reforma da OMC é fundamental para a retomada do crescimento global, uma vez que “é necessário prestigiar propostas de redução dos subsídios para bens agrícolas, com a mesma ênfase que alguns países buscam promover o comércio de bens industriais”.

Pandemia

Putin recordou a declaração de outra cúpula do bloco, em 2015, na qual o Brics se comprometeu a trabalhar em conjunto para combater a disseminação de doenças “incluindo um novo tipo de coronavírus“.

“No desenvolvimento desse acordo, os estados do Brics criaram um sistema de alerta precoce para epidemias. Tínhamos algo em que confiar. Os membros do Brics foram capazes de responder rapidamente e tomar medidas concretas na luta contra a pandemia”, afirmou o presidente russo. Índia, Brasil, Rússia e África do Sul, no entanto, figuram no topo do ranking de países mais afetados pela pandemia, além de serem criticados, internamente por sua resposta ao vírus.

Putin também falou sobre vacinas, e exortou os países a acelerarem o desenvolvimento de laborários que produzam os imunizantes, principalmente contra a Covid-19. “Consideramos de grande importância agilizar a criação de um centro de desenvolvimento e pesquisa de vacinas do Brics, algo que definimos há dois anos, com nossos colegas sul africanos, em Johanesburgo”, disse o mandatário russo.

Gostaria de observar que o Fundo de Investimento Direto Russo concluiu acordos com parceiros indianos e brasileiros para conduzir testes clínicos da vacina Sputnik-V, e com empresas farmacêuticas na China e Índia para abrir centros para a produção de nossa vacina nesses países”, disse Putin.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)