Clique e assine com até 92% de desconto

Boeings acidentados não tinham sistemas opcionais de segurança, diz ‘NYT’

O jornal afirma que a companhia, que vende esses sistemas como um extra, decidiu incluir um deles como padrão após as catástrofes

Por Da Redação 22 mar 2019, 01h06

Os aviões Boeing 737 Max 8 que caíram na Etiópia e na Indonésia não possuíam dois mecanismos opcionais de segurança que, em parte, poderiam ter ajudado os pilotos a evitar os acidentes, informou nesta quinta-feira o jornal The New York Times.

A Boeing, que vende esses sistemas como um extra, decidiu incluir um deles como padrão após as catástrofes, informou a publicação nova-iorquina, citando uma fonte com conhecimento da decisão. A empresa, no entanto, ainda não anunciou oficialmente nenhum movimento nesse sentido.

Segundo o jornal, nem o avião da Lion Air (matando os 189 passageiros a bordo) acidentado em outubro no Mar de Java nem o da Ethiopian Airlines (com 157 mortos) que caiu agora em março contavam com esses sistemas opcionais de segurança, que não são exigidos pelas autoridades.

  • Apesar das causas dos acidentes ainda não terem sido determinadas, especialistas apontam como possível motivo uma falha nos sensores que ativam um software projetado para melhorar a segurança na fase de ascensão das aeronaves, o que fez com que vários países vetassem temporariamente os voos dos 737 MAX 8 em seus espaços aéreos.

    Segundo o The New York Times, dois sistemas que a empresa americana vendia como opcionais poderiam ter ajudado a evitar os acidentes.

    Um deles é um indicador do ângulo “de ataque”, que mostra as medições dos dois sensores em questão, enquanto o outro é uma luz que é ativada quando as medições desses sensores não coincidem. A Boeing, que anunciou uma atualização do software, deve incluir essa luz em todos os novos 737 MAX, de acordo com uma fonte citada pelo jornal, mas o indicador do ângulo “de ataque” continuaria como um item opcional.

    Segundo especialistas ouvidos pelo jornal nova-iorquino, os dois mecanismos são essenciais para a segurança e muito baratos de serem instalados.

    (Com EFE)

    Continua após a publicidade
    Publicidade