Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Biden usará viagem à Ásia para acalmar ânimos na região

Vice americano vai alertar as autoridades de Pequim que o estabelecimento da nova zona de segurança da China pode trazer prejuízos à economia local

Por Da Redação 28 nov 2013, 04h32

O vice-presidente americano Joe Biden vai usar uma viagem à Ásia na próxima semana para tentar reduzir as tensões entre Japão e China, acirradas desde o último fim de semana pela determinação da zona de defesa aérea chinesa. A visita de Biden ao continente asiático já estava agendada muito antes da crise, mas o novo embate diplomático entre Tóquio e Pequim colocou a questão da zona de segurança como o principal tópico a ser discutido pelo americano na Ásia.

Criada no último sábado, a “Zona de Identificação e Defesa Aérea” inclui o espaço aéreo sobre as ilhas Senkaku, minúsculo arquipélago também reivindicado pelo Japão. A medida provocou a fúria de Tóquio, que protestou dizendo que a nova zona aérea chinesa é “inaceitável” e agrava a já tensa relação entre os dois países.

Leia também:

Zona aérea chinesa mina segurança regional, dizem EUA

EUA desafiam China e sobrevoam região em disputa

Apesar de os Estados Unidos terem criticado a manobra chinesa, acusando Pequim de desestabilizar a segurança regional, o vice-presidente americano não deverá fazer uma demanda formal ou um aviso à China. Segundo autoridades, Biden deve se limitar a advertir Pequim que tensões militares e territoriais podem prejudicar a economia e o comércio na região. Autoridades americanas disseram que a viagem servirá para mostrar o comprometimento dos EUA com seus aliados asiáticos e reforçar a posição do país como uma “força residente no Pacífico” a longo prazo.

Biden viaja no domingo para o Japão, onde se reunirá com o premiê Shinzo Abe. Depois seguirá para a China, onde conversa com o presidente Xi Jinping e o premiê Li Kegiang. A última parada será a Coreia do Sul, em uma visita que marcará o 60º aniversário do fim da Guerra da Coreia, quando os sul-coreanos contaram com o auxilio dos americanos para rechaçar uma invasão do Norte.

Coreia do Sul – Além de desagradar a japoneses e americanos, a nova zona de segurança chinesa também provocou protestos da Coreia do Sul. Nesta quinta-feira, o vice-ministro da Defesa sul-coreano, Baek Seung Joo, exigiu que a China modifique o traçado da área, já que parte dele viola o território da Coreia do Sul. O representante acusou o país vizinho de agir de forma unilateral e disse que Seul não reconhece a nova zona de defesa.

(Com Estadão Conteúdo e EFE)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês