Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Biden pede desculpas a Zelensky por atraso em ajuda militar à Ucrânia

Por seis meses, republicanos linha-dura do Congresso dos EUA bloquearam pacote bilionário que previa auxílio a Kiev, além de Israel e Taiwan

Por Da Redação
7 jun 2024, 13h32

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu perdão publicamente nesta sexta-feira, 7, ao presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, pelo atraso na liberação de um novo pacote de ajuda militar ao país em guerra durante reunião em Paris, na França. O democrata se desculpou “por aquelas semanas sem saber o que vai acontecer em termos de financiamento”, citando que “alguns de nossos membros muito conservadores estavam impedindo isso”. A declaração faz referência ao longo entrave no Congresso americano para aprovação de um aporte bilionário à Ucrânia, Israel e Taiwan.

Por seis meses, republicanos linha-dura bloquearam o montante de US$ 95 bilhões (cerca de R$ 506 bilhões na cotação atual) por supostas preocupações com a falta de financiamento da segurança da fronteira dos Estados Unidos com o México. Frente ao desacordo generalizado, os pacotes a cada aliado foram votados separadamente. Mas, no final, todos receberam o aval dos congressistas americanos e foram sancionados por Biden em abril. Ao todo, a Ucrânia receberá US$ 61 bilhões (R$ 321,6 bilhões).

No encontro, Biden destacou que Washington está “completamente dentro” no apoio à Ucrânia a longo prazo. Ele também anunciou o envio de cerca de US$ 225 milhões em ajuda militar à Ucrânia, incluindo munições para o Sistema de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade (HIMARS) e uma gama de projéteis de artilharia. Zelensky , por sua vez, destacou a importância de que “o povo americano permaneça com a Ucrânia como aconteceu durante a II Guerra Mundial”, quando os “Estados Unidos ajudaram a salvar vidas humanas, a salvar a Europa”.

+  Nos 80 anos do Dia D, Biden traça paralelo entre Hitler e ‘tirano’ Putin

80 anos do Dia D

Os comentários acontecem um dia após ambos os líderes participarem das cerimônias dos 80 anos do Dia D — data do desembarque de 150 mil soldados do grupo dos Aliados na costa da Normandia, na França, um evento marcante para a vitória sobre as forças nazistas na II Guerra Mundial. Em discurso, o líder americano traçou paralelos entre a Alemanha nazista de Adolf Hitler e o governo do presidente da Rússia, Vladimir Putin.

Continua após a publicidade

“Conhecemos as forças obscuras contra as quais estes heróis lutaram há 80 anos. Elas nunca desaparecem”, afirmou Biden na quinta-feira 6. “Agressão e ganância, o desejo de dominar e controlar, de mudar fronteiras pela força. Estas são perenes. E a luta entre uma ditadura e a liberdade é interminável”.

Ao longo de seu discurso, o presidente americano mencionou especificamente a Ucrânia, dizendo que o país foi “invadido por um tirano determinado a dominar”, mas que os ucranianos estão “lutando com uma coragem extraordinária”. Segundo ele, se Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a principal aliança militar ocidental, desistirem de apoiar a Ucrânia, toda a Europa será ameaçada.

“E não se engane, os autocratas do mundo estão observando de perto para ver o que acontece na Ucrânia. Para ver se deixamos esta agressão ilegal passar sem controle. Não podemos deixar que isso aconteça. Render-se aos valentões, curvar-se aos ditadores é simplesmente impensável”, disse.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.