Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Biden ordena vacinação obrigatória em empresas de mais de 100 funcionários

Medida pode afetar até 84 milhões de trabalhadores do setor privado, segundo cálculos da Casa Branca

Por Da Redação 4 nov 2021, 11h40

O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou nesta quinta-feira, 4, que empresas privadas com mais de 100 funcionários terão que garantir a partir de 4 de janeiro que seus trabalhadores estão vacinados contra a Covid-19. Caso não estejam, os funcionários terão que fazer testes semanais e também usar máscaras todo o tempo.

A medida desta quinta-feira é a mais significativa aplicada até agora pelo governo no que diz respeito às empresas e pode afetar até 84 milhões de trabalhadores do setor privado, segundo cálculos da Casa Branca.

Na mesma data também entra em vigor a obrigatoriedade de vacinação para todos os trabalhadores de centros médicos que participam dos programas públicos de saúde Medicare ou Medicaid, que somam mais de 76.000 unidades. A obrigatoriedade afetará mais de 17 milhões de pessoas e, para esse grupo, não haverá a possibilidade de testes semanais.

Segundo a Casa branca, as medida têm objetivo de prevenir “milhares” de mortes e cerca de 250.000 hospitalizações no país.

Embora Biden tenha anunciado em setembro a intenção de adotar a medida, as diretrizes claras sobre a implementação das regras só foi apresentada agora pelo setor de saúde do Departamento do Trabalho.

Além de garantir que os trabalhadores estejam vacinados ou se submetam a testes regulares, as empresas também terão que permitir que os funcionários que desejarem possam ser vacinados em horário de trabalho. A partir de 4 de janeiro, inspeções sanitárias incluirão controles sobre o mandato de vacinação, com multas de mais de 13.000 dólares por violação.

Cerca de 70% da população americana já estão com esquema vacinal completo, uma cifra que aumento nos últimos meses desde que o governo começou a colocar pressão sobre o empresariado.

Na terça-feira, os EUA aprovaram o uso da vacina da Pfizer contra a Covid-19 em crianças a partir dos cinco anos. A liberação foi anunciada após decisão favorável do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), seguindo a posição adotada pelo Food and Drug Administration (FDA), que na semana passada já havia dado sinal verde para a aplicação do imunizante nesta faixa etária. As autoridades federais de saúde estimam que 28 milhões de crianças sejam imunizadas.

A vacinação deve começar na segunda-feira, 8. Há duas semanas o governo americano se prepara para a campanha de imunização em crianças, selecionando hospitais, unidades de saúde e outros espaços que possam ser utilizados na mobilização.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)