Clique e assine com até 92% de desconto

Biden é o primeiro democrata a vencer na Geórgia em 28 anos

Recontagem manual dos votos no estado confirmou vitória do ex-vice-presidente, apesar das alegações falsas de fraude de Donald Trump

Por Julia Braun Atualizado em 20 nov 2020, 09h47 - Publicado em 20 nov 2020, 08h58

O estado americano da Geórgia terminou a recontagem manual de todos os votos da eleição presidencial dos Estados Unidos e os resultados confirmam a vitória do candidato democrata Joe Biden, informaram nesta quinta-feira 19 as autoridades locais.

“A auditoria confirmou que a contagem automática original retratou com precisão o vencedor da eleição”, afirmou em comunicado publicado no site do secretário de estado da Geórgia, Brad Raffensperger.

A confirmação torna Biden o primeiro candidato democrata à presidência a vencer neste estado sulista dos Estados Unidos em quase três décadas. O último membro da legenda a vencer por ali foi Bill Clinton em 1992.

Biden estava apenas 14.000 votos à frente de Donald Trump na Geórgia, uma vantagem tão estreita que exigia uma recontagem manual. Após o processo, o democrata terminou com vantagem de cerca de 12.000 votos.

Como a diferença entre os candidatos ainda é inferior a 0,5% dos votos, Trump tem o direito de pedir uma nova recontagem. explicou em comunicado o gabinete do secretário de estado local, Gabriel Sterling, encarregado da organização da eleição.

Apesar do resultado da recontagem, Donald Trump segue alegando fraude. Sem esperar pelo resultado oficial, o presidente reforçou as críticas à operação eleitoral no estado do sul dos Estados Unidos. Em uma série de tuítes matinais, ele ainda discorreu sobre a descoberta de quase 6.000 votos em dois condados de maioria republicana.

Continua após a publicidade
  • Alguns haviam sido contados, mas não foram validados no sistema, enquanto outros parecem ter sido esquecidos em uma caixa, de acordo com as autoridades locais, que atribuíram os problemas a erro humano.

    “Isso criou confusão e entendemos que as pessoas estão preocupadas”, mas “a boa notícia é que a contagem serviu ao seu propósito” corrigindo esses erros, disse Sterling. “Esperemos que o presidente Trump aceite o resultado”, acrescentou, lamentando que “questionar” a eleição “enfraquece os fundamentos da democracia”.

    Biden também denunciou a “incrível irresponsabilidade” de Trump. “Acho que [os americanos] estão testemunhando uma irresponsabilidade incrível, mensagens incrivelmente prejudiciais sendo enviadas ao resto do mundo sobre como a democracia funciona”, disse o democrata a repórteres em seu reduto em Wilmington, Delaware.

    “É difícil entender como esse homem raciocina”, continuou. “Tenho certeza que ele sabe que não venceu, que não vai poder vencer e que vou tomar posse no dia 20 de janeiro”, acrescentou. “É realmente ultrajante o que ele está fazendo.”

    Em âmbito nacional, o ex-vice-presidente democrata Biden venceu as eleições de 3 de novembro com quase 80 milhões de votos, em comparação com pouco menos de 74 milhões de votos recebidos pelo bilionário republicano.

    (Com AFP)

    Continua após a publicidade
    Publicidade