Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Biden diz que reação militar de Israel na Faixa de Gaza foi ‘exagerada’

Presidente americano também afirmou que está em busca de uma "pausa sustentada" nos combates entre tropas israelense e Hamas

Por Da Redação
9 fev 2024, 10h41

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta quinta-feira, 8, que a a resposta militar de Israel na Faixa de Gaza foi “exagerada”, à medida que o número de palestinos mortos se aproxima da marca de 28 mil. A declaração do chefe da Casa Branca se afasta do apoio “sólido e inabalável” concedido a Tel Aviv no início da guerra, em 7 de outubro, e representa a mais contundente crítica do governo americano à administração do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

O líder americano disse também que está em busca de uma “pausa sustentada” nos combates entre as tropas israelenses e o grupo palestino radical Hamas, de forma a permitir a libertação de reféns mantidos em Gaza. Ele acrescentou que tenta firmar um acordo para normalizar as relações Arábia Saudita-Israel e aumentar a ajuda humanitária à população em Gaza.

“Estou pressionando muito agora um acordo de cessar-fogo e reféns”, explicou. “Há muitas pessoas inocentes que estão morrendo de fome, muitas pessoas inocentes que estão em apuros e morrendo, e isso precisa parar.”

+ ‘Minha memória está boa’, garante Biden após investigação dizer o oposto

Memorando de Washington

As críticas ocorrem no mesmo dia em que a Casa Branca emitiu um memorando de Segurança Nacional, no qual insta o Departamento de Estado a “obter certas garantias escritas credíveis e confiáveis de governos estrangeiros que recebem artigos de defesa” de que respeitam “o direito humanitário internacional e o direito internacional dos direitos humanos”.

Continua após a publicidade

O documento também afirma que “apoiar parceiros estrangeiros dos Estados Unidos” é uma forma de avançar na “política externa e dos objetivos de segurança nacional”, que incluem a “promoção da paz” e “impedir transferências de armas que possam facilitar ou de outra forma contribuir para violações dos direitos humanos ou do direito humanitário internacional”. Em meio a quatro meses de conflito, Israel tem sido alvo de críticas de organizações, ex-autoridades das Nações Unidas e de governos, como o da África do Sul, que acusam o governo de Netanyahu de promover genocídio contra palestinos.

+ Biden critica Netanyahu por bombardeios ‘indiscriminados’ em Gaza

Desgaste EUA-Israel

Nos últimos meses, a administração Biden tem aumentado o tom em relação às ações de Netanyahu. Em dezembro, o presidente americano condenou os bombardeios “indiscriminados” em Gaza e destacou que Israel poderia perder o apoio internacional por tamanha violência. Na ocasião, ele também disse que o governo do premiê tornava “tudo muito difícil” e que os EUA não podiam negar a formação de um Estado Palestino, desejo de Tel Aviv.

O primeiro-ministro, por sua vez, alega que a vitória contra os militantes está próxima e rejeita um novo cessar-fogo. Mas, segundo o jornal britânico The Guardian, funcionários dos serviços secretos dos Estados Unidos informaram membros do Congresso americano de que Israel estava longe de concretizar o plano de eliminar o Hamas.

Continua após a publicidade

Em meio ao desgaste, tropas israelenses bombardearam a cidade de Rafah, que abriga mais de um milhão de pessoas, na quinta-feira. O local era antes considerado por Israel como área “segura”, para qual metade dos moradores de Gaza se deslocaram. Ao menos 13 pessoas morreram, incluindo duas mulheres e cinco crianças. Em resposta, o porta-voz do conselho de segurança nacional dos EUA, John Kirby, alertou que a Casa Branca não apoiará qualquer ataque em Rafah, que enfrenta uma grave emergência humanitária.

“Se não forem mortos nos combates, as crianças, mulheres e homens palestinos correrão o risco de morrer de fome ou de doença”, alertou Bob Kitchen, do Comitê Internacional de Resgate. “Não haverá mais uma única área ‘segura’ para os palestinos irem.”

+ Catar diz ter recebido ‘retorno positivo’ do Hamas sobre acordo de reféns

Arábia Saudita e Israel

Ainda nos comentários desta quinta-feira, Biden sugeriu que o ataque-surpresa do Hamas, em 7 de outubro, teria sido uma maneira de impedir o retorno das relações diplomáticas entre Israel e Arábia Saudita, mas ponderou: “Não tenho provas”. Na véspera, Riad se recusou a retomar os laços com Tel Aviv enquanto não fosse reconhecida a criação de um Estado palestino com base nas fronteiras de 1967. Também impôs como condição que “a agressão israelense na Faixa de Gaza cessasse e todas as forças de ocupação israelenses se retirassem da Faixa de Gaza”.

Continua após a publicidade

“O Reino comunicou a sua posição firme à administração dos EUA de que não haverá relações diplomáticas com Israel a menos que um Estado palestino independente seja reconhecido nas fronteiras de 1967, com Jerusalém Oriental como sua capital”, comunicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros saudita.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.