Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bélgica prende 10 pessoas em operação contra célula do Estado Islâmico

Na Indonésia, 30 pessoas foram detidas acusadas de terem ligação com radicais islâmicos. Especialistas acreditam que o EI tenta usar o país para se estabelecer na Ásia

A Procuradoria de Bruxelas anunciou o desmantelamento de uma célula terrorista, provavelmente do Estado Islâmico (EI), e a prisão de dez pessoas nesta terça-feira. Em nota, as autoridades informaram que o grupo atuava como uma rede de recrutamento dos terroristas e enviava jihadistas do país à Síria.

A operação ocorreu no bairro de Molenbeek, conhecido por ser um reduto de extremistas islâmicos. Durante a ação, os policiais apreenderam diversos computadores e celulares que agora serão analisados por investigadores. A Bélgica se tornou famosa por hospedar alguns dos terroristas que executaram os atentados ocorridos em Paris no dia 13 de novembro, deixando 130 mortos.

Leia também

Bélgica prende dois suspeitos de envolvimento nos atentados de Paris

Mãe de vítima de ataques de Paris quer processar Bélgica

Marrocos prende cidadão belga ligado a ataques de Paris

Indonésia – A polícia indonésia deteve 30 pessoas vinculadas a organizações jihadistas que planejavam um atentado em Jacarta, após o ataque do mês passado na capital que deixou oito mortos, informou nesta terça a imprensa local. O chefe da polícia, Badrodin Haiti, disse que dezessete dos detidos estavam diretamente relacionados com o ataque com armas de fogo e explosivos a uma cafeteria. O atentado foi reivindicado pelo Estado Islâmico (EI).

Outras pessoas foram detidas pela relação com três novos grupos radicais identificados pela polícia que operam na região metropolitana de Jacarta, e planejavam atacar o aeroporto e a delegacia central de polícia. Um destes grupos, liderado por Hendro Fernando, recebeu 1,3 bilhão de rúpias (cerca de 400.000 reais) em doações desde Jordânia, Iraque e Turquia, indicou o policial. Especialistas em segurança acreditam que o EI tenta se estabelecer na Indonésia, país com a maior população de muçulmanos do mundo, para declarar um “califado na Ásia”.

(Da redação)