Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Bebês prematuros resgatados de Gaza chegam ao Egito

Ao menos 28 dos 31 recém-nascidos que estavam no Hospital Al-Shifa, e ficaram sem incubadoras, deixaram a zona de guerra pela passagem de Rafah

Por Da Redação
Atualizado em 20 nov 2023, 08h31 - Publicado em 20 nov 2023, 08h30

Mohamed Salama, chefe da unidade neonatal do Hospital al-Ahli Emirates, em Rafah, no Egito, afirmou nesta segunda-feira, 20, que 28 dos 31 bebês prematuros que foram resgatados de Gaza chegaram ao território egípcio. De acordo com a emissora britânica, BBC, porém, não está certo para onde os recém-nascidos serão encaminhados.

“Um comitê do Ministério da Saúde egípcio irá recebê-los e depois decidirá”, disse Salama veà BBC Árabe.

Um corte geral de energia elétrica afetou o Hospital Al-Shifa, o maior da Faixa de Gaza, há uma semana, fazendo com que bebês prematuros perdessem suas incubadoras. Os recém-nascidos passaram a ser enrolados em toalhas e cobertores térmicos molhados com água quente, para sobreviverem até que fossem transferidos para outra unidade de saúde.

O Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas, disse que, dos 45 bebês nas incubadoras do Hospital Al-Shifa, três morreram até domingo 12. Médicos locais afirmaram que várias crianças morreram enquanto estavam na unidade de terapia intensiva e no berçário em meio ao contínuo bombardeio e cerco de Israel à Faixa de Gaza.

Continua após a publicidade

O resgate ocorreu mediante uma missão conjunta das Nações Unidas, liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em colaboração com a Sociedade do Crescente Vermelho Palestino.

“Os bebês gravemente doentes foram transportados em seis ambulâncias fornecidas e operadas pelo Crescente Vermelho Palestino. Outros membros da missão incluíram a Ação contra as Minas das Nações Unidas, a Unicef e a UNRWA. A missão foi mais uma vez avaliada como de alto risco, devido ao combate ativo ocorrido nas proximidades do hospital”, comunicou a OMS.

Os bebês foram transportados primeiro para a unidade de cuidados intensivos neonatais do Hospital Maternidade Al-Helal Al-Emarati, no sul de Gaza. Médicos afirmaram que todos os bebês estão lutando contra infecções graves, devido à falta de suprimentos médicos e à impossibilidade de continuar as medidas de controle de infecções no Hospital Al-Shifa. Onze estão em estado crítico.

Continua após a publicidade

Nenhuma das crianças foi acompanhada por familiares, uma vez que o Ministério da Saúde de Gaza tinha informações limitadas e não conseguiu encontrar familiares próximos. Seis profissionais de saúde e 10 dos seus familiares, que estavam abrigados no hospital, também foram retirados do Hospital Al-Shifa.

De acordo com a OMS, o Hospital Al-Shifa não funciona mais como unidade de saúde, devido à falta de água potável, eletricidade, suprimentos médicos, alimentos e intensas hostilidades nas suas proximidades.

“Restam mais de 250 pacientes e 20 profissionais de saúde em Al-Shifa, todos solicitando resgate imediato. Está em curso um plano para retirar essas pessoas de lá”, afirmou a OMS em comunicado, acrescentando que será dada prioridade aos 22 pacientes em diálise e aos 50 pacientes com lesões na coluna.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.